quarta-feira, 31 de outubro de 2012

- A SENHA - COMO VOCÊ ESTÁ FALANDO POR AÍ?


Juízes 12:1-7

1 - ENTÃO se convocaram os homens de Efraim, e passaram para o norte, e disseram a Jefté: Por que passaste a combater contra os filhos de Amom, e não nos chamaste para ir contigo? Queimaremos a fogo a tua casa contigo. 2 - E Jefté lhes disse: Eu e o meu povo tivemos grande contenda com os filhos de Amom; e chamei-vos, e não me livrastes da sua mão; 3 - E, vendo eu que não me livráveis, arrisquei a minha vida, e passei contra os filhos de Amom, e o SENHOR os entregou nas nossas mãos; por que, pois, subistes vós hoje, para combater contra mim? 4 - E ajuntou Jefté a todos os homens de Gileade, e combateu contra Efraim; e os homens de Gileade feriram a Efraim; porque este dissera-lhe: Fugitivos sois de Efraim, vós gileaditas que habitais entre Efraim e Manassés, 5 - Porque tomaram os gileaditas aos efraimitas os vaus do Jordão; e sucedeu que, quando algum dos fugitivos de Efraim dizia: Deixai-me passar; então os gileaditas perguntavam: És tu efraimita? E dizendo ele: Não, 6 - Então lhe diziam: Dize, pois, Chibolete; porém ele dizia: Sibolete; porque não o podia pronunciar bem; então pegavam dele, e o degolavam nos vaus do Jordão; e caíram de Efraim naquele tempo quarenta e dois mil. 7 - E Jefté julgou a Israel seis anos; e Jefté, o gileadita, faleceu, e foi sepultado numa das cidades de Gileade.

A História Bíblica, como acabamos de ler, relata o confronto entre Jefté, general de Gileade contra o exército de Efraim. O motivo desta desavença teria surgido do fato de não serem convidados os homens de Efraim, para participarem do conflito contra os filhos de Amon, lembrando que os vencedores, nesta época, costumavam levar os ricos despojos de guerra dos vencidos. Jefté, vitorioso no combate resolveu para garantir a total derrota do exército de Efraim, guardar as passagens do rio Jordão, por onde tentariam os fugitivos retornarem a suas terras. A semelhança entre os povos daquela região dificultava esta vigilância, foi então que, Jefté utilizando-se da variação linguística, armou um meio de acabar de uma vez por todas com o exército de Efraim. Assim sendo, todos que por ali passavam eram imediatamente indagados a repetirem uma palavra.

A palavra escolhida foi SCHIBOLET, pois os Efraimitas pronunciavam a consoante S, num som mais sibilado, saindo então SIBOLET, dessa feita, os Efraimitas prejudicados por sua diferença de pronúncia, ao repetirem a palavra, eram então rapidamente identificados e degolados.
Como a palavra Shibolet resultou uma senha segura, o rei Salomão a usou, posteriormente, como palavra de passe para os seus companheiros.

Xibolete (do hebreu, שבולת‎) é uma peculiaridade de pronúncia que serve para identificar um determinado grupo linguístico, funcionando praticamente como um tipo de senha linguística.

História

Este vocábulo é a transliteração de um vocábulo hebraico que é traduzido por alguns como "espiga de grãos" e por outros como "torrente de água".

Esse uso da linguagem para diferenciar grupos humanos é difundido mundialmente e, geralmente, para atuar de forma hostil contra aqueles que são reconhecidos como sendo pertencentes a grupos diferentes. Durante o massacre das Vésperas Sicilianas, no séc. XIV, os franceses eram reconhecidos pela forma como pronunciavam ciceri, uma espécie de ervilha seca. Durante as revoluções de 1893 e de 1923, no Sul do Brasil, os uruguaios eram identificados fazendo-os pronunciarem a letra J ou pauzinhos, que eles pronunciavam, respectivamente, como: /shôta/ ou /paucinhos/.

Ampliação do termo

Atualmente, o termo teve seu significado ampliado, podendo indicar também o reconhecimento de um hábito ou uma característica distinta, que permita reconhecer que o indivíduo pertence a um grupo distinto. É importante notar que o termo não se confunde com sotaque ou regionalismo, mas está a eles relacionado.

A forma xibolete é registrada no Aurélio XXI e no Grande Manual de Ortografia, de Celso Pedro Luft. O termo também pode ser escrito como xibolé ou xibolê. Em inglês e francês é escrito shibboleth.

A terminação "ão" é o principal xibolete do português e os estrangeiros têm muita dificuldade em pronunciá-la.

Aí você me pergunta: aonde o pastor quer chegar com isso?

Já te respondo:

A linguagem usada por muitos cristãos nos dias de hoje já não se pode dizer que seja algo condizente com a condição de um verdadeiro servo de Deus. Há algum tempo atrás, eu ainda não era pastor, era ministro de música de uma igreja batista e com a devida autorização pastoral, foi necessário chamar à disciplina um grupo musical da igreja, pois as atitudes dos integrantes não estavam de acordo com o que o senhor Jesus nos expõe no texto sagrado.

Ao serem avisados de que a igreja esperava uma mudança de comportamento ou do contrário o grupo estaria suspenso, o que ouvi foi uma série de palavras de baixo calão de um dos integrantes e quando indagado sobre tal linguajar tão chulo para um jovem cristão, veio a seguinte resposta: “o que eu sou no mundo eu sou aqui dentro da igreja” e, só me coube fazer a pergunta: “você não acha que a situação deveria ser exatamente o contrário?

Em fim; se fosse, nos dias de hoje utilizado a senha shibboleth muitos cristãos seriam degolados “às margens do Jordão”. Está cada dia mais complicado ver que homens e mulheres de deus têm um palavriado incondizente com o seu relacionamento com Deus. A igreja tem se contextualizado com o mundão, em pensamentos, atitudes e principalmente palavras.

Conversamos com um ímpio e com um cristão e não notamos qualquer diferença, os cristãos estão falando “sibolet” ao invés de shibboleth e quando advertidos dizem: “isso não tem nada a ver”.

Atitudes como essas trazem os hábitos e costumes mundanos para o convívio da igreja, não permitindo que a igreja cumpra seu papel transformador, pois ela mesma está sendo modificada pelo mundo ao invés de transformá-lo.

Irmãos fiquem atentos à senha, usemos as palavras certas na hora certa e da forma certa para que o Senhor Deus continue a nos preservar, pois fomos criados para o louvor da Sua glória e, as nossas ações demonstram se queremos ou não dar louvor ao Senhor, por isso ele mandou Jesus para nos salvar do castigo eterno. Não esqueça: a forma como falamos pode dizer quem somos e a que povo pertencemos!
Presta atenção galera!


Um abraço no seu coração
Fique na graça e na paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson

 

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

- ANATOTE OU ACÉLDAMA?


Quem nunca foi tomado por um forte sentimento de culpa? Quem jamais desejou voltar no tempo para consertar as coisas? Mesmo Judas, o apóstolo traidor, sentiu-se profundamente arrependido do que fizera ao seu Mestre. No livro chamado “Eu, Judas”, onde o autor tentava redimir a figura do apóstolo traidor, entre suas teorias, talvez a mais contundente era a que dizia que Judas fora movido por um propósito altruísta. Ele achava que se “cutucasse a onça com vara curta”, Jesus se levantaria, assumindo Seu papel messiânico, arregimentando Seu povo para uma tomada de poder. A traição seria apenas um empurrãozinho. Mas as coisas não aconteceram como planejadas.

Quando Judas ouviu de Jesus que os discípulos deveriam se armar para acompanhá-lo até o Getsêmane, ele imaginou que finalmente a revolução ocorreria. Porém, Jesus jogou um balde de d’água fria em seus planos quando não apenas reprovou a atitude violenta de Pedro ao desembainhar sua espada para defendê-lo, como também colocou no lugar a orelha decepada de Malco, um dos soldados do Sinédrio que vieram prendê-lo.

Amargurado com os rumos dos últimos acontecimentos, Judas dirigiu-se aos principais sacerdotes e anciãos para devolver-lhes o dinheiro que recebera para trair seu Senhor. Tudo deu errado! Jesus fora condenado, preso, e em mais algumas horas seria crucificado. A conclusão a que Judas chegara foi expressa na frase: “Pequei, traindo o sangue inocente”. Já que não dava pra voltar atrás, pelo menos o dinheiro que recebera deveria ser devolvido. Mas para sua surpresa, os sacerdotes recusaram recebê-lo de volta. E olha que trinta moedas de prata eram uma quantia considerável. Como os sacerdotes recusaram-se a recebê-la, Judas atirou-a para dentro do santuário e retirou-se já resolvido a suicidar-se.

Que destino deveriam tomar aquelas moedas?

Por mais sórdidos que fossem aqueles sacerdotes, ainda lhes restara certo senso de ética. Em conselho convocado de última hora, concluíram: “Não é lícito metê-las no cofre das ofertas, porque é preço de sangue.”


Como alguém que foi capaz de subornar um dos apóstolos de Jesus para traí-lo, ainda seria capaz de posicionar-se eticamente? Por incrível que pareça, tal senso ético não tem sido facilmente encontrado em muitas lideranças cristãs.

A conclusão a que chego é que os principais dos sacerdotes que condenaram Jesus eram mais éticos que muitos líderes evangélicos de nosso tempo. Que vergonha! Quantos ministérios edificados sobre "Campos de Sangue"! Quantas ofertas recebidas que foram fruto de extorsão, venda de drogas, vidas arruinadas, dinheiro público desviado que deveria ser usado na compra de ambulâncias, merenda escolar, segurança, etc.?

Como eu poderia subir ao púlpito com a consciência tranquila sabendo que o dinheiro que mantém o ministério vem de fontes erradas? Como eu poderia pregar honestamente vendendo os votos do rebanho para um político inescrupuloso? Será que os fins justificam os meios? Será que Maquiavel tinha razão? Já que não somos católicos romanos, em vez de canonizá-lo, que tal elegê-lo como patrono de nossa causa? Há que se ter redobrados cuidados com ministérios que explodem de uma hora pra outra, comprando tudo que vê pela frente... Quem trabalha duro à frente de um ministério sabe que dinheiro não cai do céu...

Já que aquele dinheiro sujo não deveria ser depositado no cofre do templo, algo precisaria ser feito. Alguém teve uma “brilhante” ideia: Vamos utilizá-lo na aquisição de um campo para servir de cemitério para os estrangeiros. O conselho prontamente votou e aceitou.

O dinheiro foi considerado tão sujo, que mesmo que fosse usado na construção de um cemitério, este deveria ser destinado unicamente aos estrangeiros. Nenhum judeu poderia ser enterrado nele. A propriedade adquirida recebeu o nome de “Campo de Sangue”.

Interessante notar que o relato feito por Lucas difere um pouco de Mateus, que é o que temos considerado até agora. Segundo Lucas em seu relatório conhecido como Livro de Atos dos Apóstolos, o próprio Judas teria adquirido aquele campo com o “salário da sua iniquidade”.

Não creio que haja contradição entre Mateus e Lucas. O fato é que Lucas intencionalmente atribuiu a Judas a compra daquele campo para enfatizar o seu terrível destino. Como que por coincidência, Judas sai em busca de um lugar ermo para dar cabo de sua vida, avista uma árvore à beira de um precipício, pendura-se nela, com o peso do seu corpo, o galho se quebra, e ele se precipita no abismo, tendo suas entranhas espalhadas pelo campo. Era uma imagem horrível de ser ver. O que ele jamais poderia supor é que aquele lugar escolhido para ser cenário de seu suicídio era justamente o campo comprado com dinheiro que recebera pela traição.


Judas bem que tentou livrar-se daquelas moedas, mas elas o perseguiram até o fim.

Em contraste com Jeremias, que mesmo preso adquiriu, por ordem do Senhor, um campo em Anatote (que quer dizer “Resposta à oração”), o campo adquirido com o dinheiro da traição foi chamado de Acéldama, que significa “Campo de Sangue”.

Acéldama representa o fim da linha, o precipício do qual a alma humana se lança quando trai a si mesma. Toda traição é auto traição. Ninguém trai alguém sem trair a si mesmo. E toda a traição tem um salário e um custo. O custo jamais compensa o salário que se recebe dela. E não adianta tentar fugir, lançar as moedas de volta ao seu lugar de origem. Elas nos acharão!

O precipício é o preço da precipitação. Precipitamo-nos sempre que sacrificamos nossos princípios e valores no altar do imediatismo. Traímos nossas convicções por conveniência. Somos iludidos pela ideia de que é possível apressar o processo.

Um dia o que estava oculto vem à tona. As entranhas de Judas são expostas. E aí... será tarde demais.

Mateus 27:3-8

3 - Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos, 4 - Dizendo: Pequei, traindo o sangue inocente. Eles, porém, disseram: Que nos importa? Isso é contigo. 5 - E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar. 6 - E os príncipes dos sacerdotes, tomando as moedas de prata, disseram: Não é lícito colocá-las no cofre das ofertas, porque são preço de sangue. 7 - E, tendo deliberado em conselho, compraram com elas o campo de um oleiro, para sepultura dos estrangeiros. 8 - Por isso foi chamado aquele campo, até ao dia de hoje, Campo de Sangue.

Atos 1:15-19

15 - E naqueles dias, levantando-se Pedro no meio dos discípulos (ora a multidão junta era de quase cento e vinte pessoas) disse: 16 - Homens irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o Espírito Santo predisse pela boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a Jesus; 17 - Porque foi contado conosco e alcançou sorte neste ministério. 18 - Ora, este adquiriu um campo com o galardão da iniquidade; e, precipitando-se, rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram. 19 - E foi notório a todos os que habitam em Jerusalém; de maneira que na sua própria língua esse campo se chama Acéldama, isto é, Campo de Sangue.



Um abraço no seu coração!
Fique na graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

- O CRISTÃO E A CAVERNA DO MITO PLATONIANO


Em momento algum da história humana, nunca se registrou uma procura tão acentuada por Deus quanto neste início de século XXI. Nunca houve outro período em que o nome Jesus rendesse tanto comentário e busca, mesmo que desesperada. Nunca se viu tanta gente em diversos seguimentos religiosos exercitar a fé, mesmo que cega. Então, o que faz o nome de Deus render tanta procura nesses últimos dias? Por que mesmo cheias de fé, as pessoas se encontram tão vazias e sem Deus?

Não precisa ir muito longe, basta dar um clique na televisão ou escutar o clamor do vizinho, ou mesmo, nos auto observar nos espelhos do dia a dia o quanto Deus está presente em nossas vidas, afinal: “Vinde a mim todos que estais cansados e Eu vos aliviarei”. E é justamente ai, neste alívio, onde se exercita a fé, ainda que cega e distorcida; é na nossa sede que vamos buscar água em poços desconhecidos e profundos sem encontrar água potável e doce, pois quando a sede é grande toda água é boa, na fome as bolotas que os porcos comiam pareciam caviar para o filho pródigo. E nessa direção, muitos vão exercitando uma fé morta por não encontrar o verdadeiro caminho.

Falar da fé tem sido lucro certo, nunca se falou tanto sobre fé. Os teólogos lançam livros a cada semana, a mídia tem escancarado o assunto de forma insigne, a música tem arrecadado milhões em composições enfáticas feitas quase que exclusivamente em nome da fé, de uma vitória que vai chegar à sua vida custe o que custar, até a filosofia, que de tão pouco consultada, hoje é uma das cadeiras principais nos cursos de ciências humanas, tendo um papel elementar na busca da fé ou na sua negação; tudo isto porque, a fé virou comércio e tem manobrado muitos fervorosos num “mito da caverna de Platão” que se repete a cada dia. Eis um motivo forte para a filosofia dar um tapa sem mão naqueles sedentos por Jesus, sendo assim, “conhecereis a árvore pelos seus frutos.../ ...conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.

Pelos seus frutos, muitos têm exercido uma fé cega, capaz de superlotar igrejas, andarem de joelhos nas ruas pagando promessas, ficar em casa sentado esperando a morte chegar, levantarem bandeiras sociais em nome da paz e do próximo, executarem o nome de Jesus nas tantas letras que o anunciam de forma distorcida e até mesmo se vestirem de nova criatura, mas trocando de roupa para acompanhar o ritmo e o compasso do mundo que de tão sedento por Cristo, continua bebendo na fonte errada.

Nessa cegueira espiritual do mundo moderno, as igrejas estão lotadas de pessoas com braços levantados para o alto, clamando por um Deus que eles não conhecem na íntegra, só de nome. Quando seus frutos têm negado a eficácia dessa fé, por não fazerem o que deveria ser feito, mas apenas o que mandam: vista branco, azul, amarelo, fique de joelhos, ande um quilômetro, ponha um copo d’água em cima do rádio, traga a carteira de trabalho para a porta se abrir; enfim, faça tudo, menos tentar conhecer a verdade e a Deus como Ele é: simples, ordeiro, amoroso como uma galinha que acolhe todos os seus pintinhos debaixo de suas asas sem discriminação; assim é o nosso Deus que não quer sacrifício de ninguém, nem faz acepção de pessoas, que está de braços abertos para aqueles que abrem a porta do coração para Ele. Por outro lado, o mito da caverna é gritante, quando alguém manobra as réstias na parede da caverna com o ventrículo nos deixando abobalhados com a cena, é assim que estamos: abobalhados, sem poder nos mexer, sem forças para questionar, olhar para trás e observar o que estamos fazendo e quem está nos iludindo até porque, o amor que Deus tem por cada um de nós é muito grande, por isso Ele nos adverte: “Errais por não conhecer as escrituras nem o poder de Deus.../ ...toda árvore que não der um bom fruto, será cortada e jogada no fogo”, porque a foice está amolada e em breve a colheita será feita.

Não quero terminar este texto o condenando ao fogo do inferno, ao contrário, quero terminá-lo condenando você de você mesmo. Diagnosticando sua fé que anda míope e precisa ser operada para que veja a luz dentro dessa caverna que você se alojou ao longo do tempo. Essa caverna de tantos cânticos, preces e louvores de um Deus vivo que ainda se encontra morto por não ter conseguido tirá-lo desse buraco negro de tantas verdades hipócritas que o faz sentir mais sede da verdade. A sua fome de leitura em torno da fé, seus ouvidos aguçados têm provado a sua sede por um Deus que você não descobriu ainda, mas sabe que Ele existe ai bem dentro de você, embora em uma penumbra ao se movimentar nas paredes da caverna do mito platoniano.

Sede, exercitada numa fé cega que teima andar no caminho estreito e levar sua cruz dia após dia, mas que quer as facilidades de um evangelho próspero e cheio de bênçãos. Fé cega, por louvar tanto o nome de Deus nas igrejas e nas praças e deixá-lo sempre em último lugar em sua lista de prioridades. Fé cega, de um povo que diz tanto amar a Deus e tê-lo no coração, mas que O nega em suas atitudes e falta de amor, por querer seguir seus próprios caminhos menos o caminho descrito na bíblia pelo seu Criador, em palavras que se cumpriram e vem se cumprindo ditas pela boca do próprio Cristo “Tua palavra é a verdade”, mas negada por muitos que dizem não serem suficientes, quando buscam outras. Fé cega, quando Deus não é suficiente para curar suas mazelas e trazer paz, procurando outros meios e pessoas para darem um melhor suporte para sua fé.

Foice amolada, que fará separação no dia da colheita e esbofeteará muitos daqueles que usam sua própria verdade sem observar as verdades de Deus, por continuar a questionar igual a Pilatos: “o que é a verdade?”, mas por perceber igual ao centurião romano, mesmo que tarde diante dos fatos: “verdadeiramente este homem era o filho de Deus”.

Verdadeiramente Jesus está voltando pelos sinais que se cumprem. Verdadeiramente amar a Deus sem segui-lo pelo caminho proposto por Ele faz de minha fé cega, ainda que eu não faça mal a ninguém. Verdadeiramente as vãs filosofias têm levado as pessoas a inverterem o caminho, procurando a felicidade dentro da caverna cujo mito alimenta a fome dos fervorosos e os afastam cada vez mais dos caminhos de Deus que mais parecem fardos pesados e difíceis de carregar.



Verdadeiramente sua fé pode estar cega, se você não der meia volta e olhar por trás de você e deter esse alguém que manobra o ventrículo que o deixa preso às mensagens doces, mas que amargarão no final. Verdadeiramente a foice está amolada, mas pela grande misericórdia de um Deus verdadeiro e que o ama, que espera você produzir frutos bons e vindos apenas dEle, que é a videira verdadeira e quando o momento certo chegar ele executará sua justiça de amor, cortando e separando o joio do trigo; o trigo que conseguiu permanecer em pé, mesmo sendo sufocado pelo joio que insiste em distorcer e cegá-lo com medo de ser cortado e lançado fora.
Então, corte você de você, suas práticas de suas práticas, sua fé de sua fé, para quando o ceifeiro vir com sua foice afiada não o lance no fogo eterno com sua fé cega.



Um abraço no seu coração!
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

- PERDOEM-ME!


Não sou evangélico fundamentalista, bitolado e fanático, personagem tão comum em nosso tempo. Alguns cheiram Bíblias, outros são especialistas no toque do shofar, tem ainda, os que chamam de “trouxas” a quem crê, ama e recusa barganhar a fé cristã. 
Ah! Não podemos esquecer os que vendem unção, os que uivam, engatinham, mergulham-se em óleo e metem medo pela bizarrice com que demonstram seu extravagante “evangelho”.

Desculpem-me!

Não sou protestante puritano, hiper-calvinista, nem super-arminianista, não pertenço em essência a nenhum dos rotulantes “ismos” tão presentes em nossa histórica igreja. Alguns estratificam a fé, outros na ânsia da racionalização da fé, deserdam-nos do seu dulçor e como estranhos iluministas, diabolizam a mais natural emoção que se dá do encontro do perdido com o Salvador que nos torna filhos. Não podemos esquecer-nos dos que materializam mecanicamente o Caminho e são tão eficientes em defenderem conjuntos doutrinários sistematizados que idolatram os heróis e se esquecem da misericórdia, amor e perdão.

Perdoem-me!

Não sou evangélico imbecilizado que vaga servil, correndo atrás dos seus líderes carismáticos, reproduzindo grunhidos e imitando as gesticulações patéticas como quem segue os tripulantes de um trio elétrico.

Desculpem-me!

Não sou crente medíocre, fascinado com a espiritualidade plástica, impactado pelos milagres fabricados e os testemunhos produzidos pela indústria da fé (crendice). Tolo a ponto de sujeitar-se a tirania apossada do púlpito, a qual anda reluzindo o ouro e prata de suas conquistas.

Vão às favas!

Os pseudos vencedores que vendem o Evangelho, que fazem de sua mensagem um misticismo doentio, uma ferramenta de captação de recursos financeiros livres de impostos e preparados para uso ardiloso e vil.

Apartai-vos de mim!


Os que arregimentam exércitos de seguidores marionetados, incapazes de uma reflexão aguda e de conduzir sua fé na estrada segura da Palavra, a qual é fundamentada na inspiração divina que ilumina nosso caminho.

Arreda!

Bandidos de Bíblias em punho como arma de manipulação e domínio. Negociantes incansáveis e insaciáveis pelos privilégios mundanos, sustentados pelo suor e sangue dos incautos peregrinos que de “igreja” em “igreja” buscam na penitência do dízimo o alívio para suas almas.

Ouço musica ao longe…

Ela me acalma e tem a capacidade de me conduzir ao sonho de dias melhores. Não! Não é a utopia platônica de um mundo sempre lá, no eterno: o “outro”. Mas, uma luta constante a partir de mim e de cada um que crê, (e não são tão poucos assim) não deixando esmorecer a fé naquEle que é o seu Autor e Consumador.

Ouço música ao longe…

O Evangelho é música.

Música com cheiro, tom, textura e sabor de vida nova. Regenerada! Vida pra ser vivida, sorvida, deglutida e transformada em frutos que permaneçam. Frutos da salvação. Frutos que não pesam, não aprisionam, não machucam o indefeso crente.

O Evangelho é música feita para crer, pensar, viver!


Um abraço no seu coração!
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus!
Pr. William Thompson

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

- VOCÊ E DEUS! E AGORA? É FOGO!!


Quase nunca nos damos conta do que é estar na presença de Deus. Ele nos espera, nos observa fica ao nosso lado, nos envolve e nós, muitas e muitas vezes, sequer percebemos a Sua presença. Lembramos dEle sim,  quando a coisa fica preta, aí corremos e  começamos a clamar e dizemos: será que o Senhor não está vendo o meu sofrimento, o tamanho da minha enrascada?!

Na realidade Deus estava bem ali do nosso lado e nós é que não observamos, pois estávamos envolvidos demais com as preocupações deste mundo.
É bem comum nós acharmos que estar na presença de Deus é como um carregador de baterias. Eu venho pra igreja, e aqui é como se em cada cadeira tivesse uma tomada, aí eu ligo a minha bateria e começa a recarga. Ao final da celebração, depois de carregada a bateria eu vou embora pra ter uma semana de total afastamento de Deus.


ÊXODO 3: 1-6
(Êxodo 3:1) - E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe.
(Êxodo 3:2) - E apareceu-lhe o anjo do SENHOR em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia.
(Êxodo 3:3) - E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima.
(Êxodo 3:4) - E vendo o SENHOR que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés. Respondeu ele: Eis-me aqui
(Êxodo 3:5) - E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa.
(Êxodo 3:6) - Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus.

É bastante comum nós chegarmos ao trabalho na 2ª feira e falarmos com nossos colegas “crentes”: “olha o culto ontem bombou”! Uma irmã falou em línguas, a outra dançou, o pregador profetizou, um irmão foi tomado pelo Espírito Santo e não suportou a unção e caiu!!!
Mas Deus pergunta: E Você?
Tudo isso aconteceu e você viu ou te contaram?
Você diz cheio de orgulho: ninguém me contou não; eu estava lá, eu vi com esses olhos que a terra há de comer!!
Mas, e você, não sentiu nada?
E aí a sua cara vai ao chão!
Constantemente temos visto o agir de Deus em nosso meio, e ficamos perguntando por que está acontecendo isso com o irmão, por que ele  está fazendo aquilo e eu não sinto nada?
A resposta é simples: você está ISOLADO!
Quando estamos na presença de Deus temos que nos despir de tudo que possa nos isolar. No verso 5 quando no Senhor diz a Moisés: Tira o sapato dos teu pés por que a terra que você pisa é santa, entre outras coisas Deus estava dizendo: se você não tirar o sapato, não vai sentir o “fogo do espírito te queimar”, não vai ter o que testemunhar, vai contar a experiência daqueles que estavam descalços.

O TEXTO NOS ENSINA ALGUMAS COISAS PARA A NOSSA CAMINHADA COM DEUS:


É PRECISO SUBIR A MONTANHA
É PRECISO DESPIR-SE POR COMPLETO
É PRECISO TER CONTATO
É PRECISO SENTIR VONTADE DE VER, AINDA QUE NÃO POSSA
É PRECISO QUEBRAR FORTALEZAS
É PRECISO OUVIR E OBEDECER
NO FINAL DEUS FAZ PROMESSAS PRA TUA VIDA E NÃO SÓ VOCÊ, MAS MUITAS PESSOAS SERÃO ABENÇOADAS POR CAUSA DISSO!

COISAS QUE NOS IMPEDEM DE TOMAR UMA ATITUDE DIANTE DE DEUS:

- EU NUNCA FICO DESCLAÇO
- EU SOU MUITO TÍMIDO PRA ME DESPIR
- EU NÃO TENHO MAIS PERNAS PRA SUBIR MONTANHAS
- EU NÃO TENHO FORTALEZAS
- EU ATÉ SINTO VONTADE, MAS...
- EU ACHO QUE EU SOU OBEDIENTE SIM, TALVEZ NÃO SEJA 100%, MAS ÀS VEZES EU OBEDEÇO.

O verdadeiro cristão tem que vibrar pela ação de Deus na sua vida, tem que parar de contar experiências alheias e ter as suas próprias e usá-las para abençoar a muitos outros. As nossas experiências com Deus devem servir para impactar a vida dos sem igreja, por que aqui dentro cada um deve ter um ato de poder para contar, se isso não aconteceu comece a pedir ao Senhor e Ele vai te chamar pro monte, vai mandar você tirar o sapato e você vai ver a sarça arder e não se queimar, vai sentir o óleo da unção descer sobre a sua cabeça, ouvir a voz de Deus e é bem possível que quando tocado as pessoas sintam choque, tamanho o poder do Espírito Santo em ação através de você. Na Segunda feira não será preciso falar nada, os colegas vão notar a diferença no teu rosto, ele estará brilhando, tal qual o de Moisés!

Se entregue, adore, obedeça, dispa-se, tire as máscaras e o mais Ele fará!!!

O Fogo de Deus não é o que destrói, é o que preserva a sarça: o Homem. Moisés, apesar das suas capacidades intelectuais, não tinha sobre si o fogo da glória de Deus. Moisés teve que deixar o Egito, para poder contemplar a glória de Deus ardendo sobre a sarça. Muitos estão neste estágio, tem cultura, tem conhecimento, mas não têm uma experiência com o Senhor. São arbustos secos. A Igreja está lotada de arbustos secos. Uns estão de gravata, outros perfumados, outros com instrumentos na mão, uns são doutores, outros professores, donas de casa etc. Todos nós somos arbustos secos totalmente dependentes do Senhor. Mas buscamos em Deus pela fé que o inimaginável aconteça. Moisés, então, respondeu: “Eis-me aqui”. Esta deve ser a atitude de quem ouve o chamar do Senhor para o Altar. É uma atitude definida. Eis-me aqui Senhor, disposto a obedecer, a trabalhar na Tua obra: SACRIFICAR. A maior lição é que DEUS escolhe sarças para mandar sobre elas o fogo do seu poder. Há um povo que é como sarça; pequeno, frágil, imperfeito; somos nós. Mas buscamos o Senhor por nos escolher e transformar-nos em sarças ardentes através da nossa fé, e sucessivamente mudar a nossa vida. É o fogo que preserva e não o que consome.

Um abraço no seu coração!
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus!
Pr William Thompson

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

- PASTORES vs OVELHAS - INVERSÃO DE VALORES


Hebreus 13: 17

Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.”

Pastores e ovelhas eram uma parte tão familiar do mundo antigo que se tornaram uma pronta metáfora para os escritores bíblicos. O terno cuidado dos pastores com suas ovelhas levaram Davi e seus companheiros salmistas a falar do Senhor como o pastor de Israel (Salmos 23; 80:1), e de Israel como “as ovelhas do Seu pasto” (Salmos 100:3; 95:7; 79:13; 78:52).

Eu sou nascido e criado na Igreja Batista, sou Pastor Batista. Recordo-me dos domingos pela manhã que eram dedicados à parte administrativa da igreja, as chamada Sessões ou Assembleias, como chamamos hoje. Nessas assembleias eram decididas todas as diretrizes administrativas da igreja e nós (pelos menos os batistas) nos acostumamos a ver e brigar pela soberania da maioria democrática nas votações, inclusive no que se dizia ou diz respeito à disciplina do rebanho.

Mas afinal; quem toma conta do rebanho?

A Palavra de Deus, a Bíblia, nos ensina em Hebreus 13: 17 que as ovelhas devem obedecer e se sujeitar ao seu pastor. Então quem tem a prerrogativa de disciplinar o rebanho é o Pastor. Alguma dúvida?

Porém tive a minha atenção voltada para esta questão quando um pastor, amigo meu, foi indicado para participar em um processo de sucessão pastoral em uma igreja e foi preterido por que disse no momento da entrevista que não abriria mão de ser o doutrinador ou disciplinador do rebanho e que a assembleia não teria autoridade sobre este quesito.

Faço aqui algumas perguntas: 


Na escola, aluno disciplina aluno?

 No quartel soldado pune soldado? 

Por que na igreja ovelha tem que disciplinar ovelha?

Quem aplica o doutrinamento e a disciplina dentro do rebanho é o pastor. As igrejas ao longo dos tempos se habituaram a deliberar sobre assuntos que dizem respeito a alguém que o próprio Deus levantou para fazer. A maioria da igreja decide o que comprar, de que forma vai pagar, se vai dar aumento para o zelador, se vai comprar um ônibus ou uma van etc. Agora rebanho avocar para si a decisão máxima em disciplinar uma ovelha, não! Isto é função do pastor.

Por outro lado existe uma visão e eu já li em estatuto de igrejas a lavra de que uma das obrigações do pastor é fazer o rebanho multiplicar. Este é um dos maiores enganos que a igreja vem comet
endo ao longo dos tempos: quem gera a multiplicação do rebanho são as ovelhas; o pastor é o cuidador, tratador, guia do rebanho. Você já viu gato gerar cachorrinhos ou coelhos gerarem gatos? Logo quem gera ovelha é outra ovelha.

Precisamos rapidamente voltar os nossos olhos para as nossas obrigações espirituais. A Igreja oferta para o sustento de missionários, paga salário ao pastor e depois muitos dizem “eu fiz a minha parte”!

Errado, a nossa parte está lá em Mateus 28:19

Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;

Este texto não foi escrito só para os pastores, muito pelo contrário, é para todos e, claro, isto acaba incluindo o pastor (que também é ovelha e precisa ser um multiplicador), mas a responsabilidade central do crescimento do rebanho é das ovelhas (ovelha gerando ovelha)!

Então precisamos acabar com esta inversão de valores que abunda as entranhas das igrejas, principalmente as batistas (falo assim porque sou cristão batista): O pastor cuida do rebanho e as ovelhas geram outras ovelhas através do testemunho, da amizade, ganhando a confiança das pessoas, pregando o Evangelho com a própria vida!

Jesus narra, no Evangelho de Lucas, a parábola de um pastor que apascentava cem ovelhas, mas uma desgarrou-se.

Tal fato gerou, no pastor, uma atitude altruísta: foi pelo deserto em busca da ovelha que se perdera, e só deu a missão por acabada quando a ovelha estava acolhida no seio do rebanho. Ele estava cumprindo a sua vocação, cuidar de ovelhas. Fora chamado e treinado para isso, portanto, não poderia fugir à responsabilidade. Veja que o pastor não mandou outra ovelha à busca da que se perdera.

Uma outra coisa: existe um termo agressivo e bastante comum no nosso meio: EXCLUSÃO! Eu gostaria que alguém me dissesse se Jesus excluiu alguém em seu ministério? E olha que situações para isso não faltaram! Ele não excluiu a mulher adúltera, nem Pedro, nem Judas (este se auto excluiu).

ROMANOS 14:12 diz: “De maneira que cada um de nós daráconta de si mesmo a Deus.”

Os pastores pagam duas contas: a deles mesmos e a das ovelhas! Ovelhas que se perderam e eles não procuraram, ovelhas que não foram tratadas, discipuladas ou que não receberam os ensinamentos devidos etc.!

Para encerrar:

Ovelha gera ovelha, aumenta o rebanho. Pastor cuida, trata, ensina, doutrina e disciplina o rebanho e até no momento, se necessário, da ovelha ser tratada como gentia, tem que ser por decisão pastoral!

Tenho dito!!!



Um abraço no seu coração!
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus!
Pr William Thompson

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

- VIRGEM LEILOADA FICARÁ LIGADA ESPIRITUALMENTE AO COMPRADOR ATÉ A MORTE, DISSE SARAH SHEEVA, AUTORIDADE GOSPEL NO ASSUNTO

The Christian Post

Andrea Madambashi

A brasileira Catarina Migliorini, de 20 anos, que está leiloando a sua virgindade, está causando grande polêmica em âmbito nacional e internacional, com diversos líderes cristãos e grupos pró-família expressando grande indignação sobre o caso.


A pastora Sarah Sheeva comentou o caso ao The Christian Post e explicou as possíveis consequências disso a partir de um ponto de vista espiritual.

"Quem acredita nas Escrituras sabe que ela revela que o sexo é uma aliança que vai muito além do corpo físico, é uma aliança espiritual. O que vai acontecer é que espiritualmente essa jovem vai estar ligada com o homem que ela fizer sexo até morrer, ligada espiritualmente, não emocionalmente, mesmo sem ter sentimentos por ele, porque o sexo tem o poder de fazer isso (espiritualmente) com as pessoas. Mesmo que não queiramos, o sexo tem essa consequência espiritual”, disse Sarah Sheeva ao CP.

A pastora explica também que “a menos que ela tenha uma verdadeira experiência com Jesus, a aliança sexual não poderá ser quebrada”.

“O sexo tem uma parte que não pode ser lavada com um simples banho com água e sabão, porque ele vai muito além do corpo físico. Só o sangue de Jesus Cristo pode limpar e quebrar alianças desse tipo, que além do corpo físico, também envolvem o corpo espiritual.”

“É por esse motivo, por causa de alianças sexuais, que muitas pessoas se sentem presas a pessoas de seus passados, pois essas alianças são espirituais", acrescentou ela.

Catarina é estudante de educação física e trancou a faculdade para participar do projeto de documentário "Virgins Wanted" dirigido pelo australiano Justin Sisely, que veio recrutando virgens por mais de um ano.

Catarina revelou recentemente que ela decidiu fazer não somente por negócios mas para ajudar também a entidades de caridade, em Santa Catarina.

A pastora Sarah Sheeva, que é escritora e conhecida por pregar sobre relacionamentos e abstinência sexual antes do casamento, acredita que Catarina talvez não tenha consciência do valor dela.

“Ao que parece, ela talvez não tenha fé num relacionamento e casamento, não criando esperança e expectativa, ou não sonhando com uma família”, disse Sarah Sheeva ao CP, tentando compreender o lado de Catarina.

Sarah Sheeva, que recentemente realizou o Culto das Princesas em Nova Jersey, EUA, explicou que a atitude de Catarina em vender a sua virgindade pode estar refletindo seu estado emocional, talvez até uma decepção, e que ela talvez não acredite que um homem possa vir a valorizar a sua virgindade.

"Todas as atitudes que nós temos são baseadas no que nós acreditamos. Para ela chegar a vender a virgindade é porque ela acredita (ou não acredita) em algo ligado a virgindade, e aos relacionamentos sentimentais e sexuais. Provavelmente ela NÃO acredita que possa um dia ser amada ou que valha a pena ela guardar sua virgindade para um homem”, disse a pastora.
Em declarações anteriores, Catarina afirmou que vê o leilão de sua virgindade como um negócio.
“Vejo isso como um negócio. Tenho a oportunidade de viajar, fazer parte de um filme e conseguir uma gratificação com isso”, disse Catarina.

Ela receberá 20 mil dólares australianos (aproximadamente R$ 42,6 mil) e mais 90% do valor ofertado.
Considerando a fé daqueles que acreditam no valor da virgindade e seguem os princípios bíblicos, a pastora Sheeva expressou indignação sobre o fato de que o sexo seja utilizado como "algo descartável".
"A Bíblia fala que o mundo está perdido. E o comportamento dessa jovem é a prova disso. Até que ponto chegamos na humanidade?
A ponto de uma jovem não só vender sua virgindade, mas usar isso como promoção, e lidar com o sexo como se ele fosse descartável".
De acordo com ela, para os que conhecem a Bíblia - tem entendimento espiritual - a situação de Catarina está sendo um "escândalo". Mas a pastora entende que Catarina tenha assim decidido por aparentemente não possuir o mesmo entendimento espiritual do que o sexo pode fazer com as pessoas (no âmbito espiritual, e não físico).
“Ela não tem esse entendimento espiritual, por isso ela está tratando o sexo como algo que água e sabão lavam".
"Não falamos pela questão moral, mas pelo âmbito espiritual do que o sexo pode fazer e isso tem a ver com fé (....). A Bíblia diz que para os que não creem, a Palavra de Deus é loucura", acrescentou.
Catarina justifica sua decisão apontando que, "muita gente encontra desconhecidos nos bares, transa na mesma noite e nem lembra mais no outro dia; outros perdem a virgindade com namorados e depois as coisas mudam".
Outros líderes cristãos também se pronunciaram sobre o caso com grande indignação.






Web Evangelista - Wagner Lemos


Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr. William Thompson

terça-feira, 9 de outubro de 2012

- PROVE E VERÁS



”Na Universidade de Chicago “Divinity School”, em cada ano eles têm o que chamam de “Dia Batista”. 
Nesse dia cada um deve trazer um prato de comida e há um pic-nic no gramado. Sempre, no “Dia Batista”, a escola convida uma das grandes mentes da literatura no meio educacional teológico.

Num ano eles convidaram o Dr. Paul Tillich. Dr. Tillich falou durante 2 horas e meia provando que a ressurreição de Jesus era falsa. Ele questionava estudiosos e livros e concluiu que, a partir do momento que não havia provas históricas da ressurreição, a tradição religiosa da igreja caía por terra, porque era baseada num relacionamento com um Jesus que havia ressurgido, mas, de fato, Ele nunca havia ressurgido literalmente dos mortos. Quando concluiu sua teoria, ele perguntou se havia alguma pergunta. Depois de uns 30 segundos, um senhor negro de cabelos brancos se levantou no fundo do auditório.

- Dr. Tillich, eu tenho uma pergunta” ele disse enquanto todos os olhos se voltavam para ele.

Ele colocou a mão na sua sacola, pegou uma maçã e começou a comer. ”Dr. Tillich... CRUNCH, MUNCH... Minha pergunta é uma questão muito simples... CRUNCH, MUNCH... Eu nunca li tantos livros como o senhor leu ...CRUNCH, MUNCH... e também não posso recitar as Escrituras no original grego... CRUNCH, MUNCH... Eu não sei nada sobre Niebuhr e Heidegger... CRUNCH,MUNCH...” e ele acabou de comer a maçã. ”Mas tudo o que eu gostaria de saber é: essa maçã que eu acabei de comer... estava doce ou azeda?”

Dr. Tillich parou por um momento e respondeu com todo o estilo de um estudioso: ”Eu não tenho possibilidades de responder essa questão, pois eu não provei a sua maçã.”

O senhor de cabelos brancos jogou o que restou da maçã dentro do saco de papel, olhou para o Dr. Tillich e disse calmamente: ”O senhor também nunca provou do meu Jesus, Como pode afirmar o que está dizendo?”

Mais de 1000 pessoas que estavam assistindo não puderam se conter. O auditório se ergueu em aplausos.
Dr. “Tillich agradeceu a platéia e rapidamente deixou o palco.”

E você, já provou Jesus???? 

Prove e veja que o Senhor é bom.
Feliz é o homem que nEle se refugia”(Salmos 34:8 )


Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson

- VIVENDO O NOVO DE DEUS



Quando se fala de novidade as pessoas têm reações bem interessantes. Se for um grupo de jovens e você fala das novidades nos videogames todos querem saber o que é como se compra, ou até como se copia. Moda, ninguém quer perder as últimas novidades. No setor da informática todos nós sonhamos com um computador de última geração. Com os carros então...

Quando a novidade vem de Deus, como é a sua, a minha, a nossa reação?

Infelizmente nós temos por hábito resistir às novidades que vêm de Deus. Sempre esperamos que alguém vá na nossa frente: se ficar bem pra ele pode ser que eu embarque nessa. É  bem comum no dia-a-dia da igreja nós vermos um novo ministério nascer e as pessoas ficarem esperando para ver o que vai acontecer, se tudo vai dar certo, se não vai ser um “mico” e quando a coisa acontece e tudo vai bem aí aparece um monte de gente disposta a participar.

Há uns anos atrás eu vi um grupo de meninas querendo levantar um ministério de dança numa igreja da qual fazíamos parte e convocaram todas as garotas da igreja, mas algumas disseram NÃO, “isso é mico”, pois bem, as que tiveram disposição levaram a ideia avante e no dia do aniversário da igreja, numa programação em praça pública dançaram e muitas vidas foram edificadas, abençoadas através da dança daquelas meninas. Sabe o que aconteceu na semana seguinte? Aquelas que não quiseram “pagar mico” foram ao pastor da igreja pedindo a ele que obrigasse as meninas a aceitá-las no ministério de coreografia. É assim que na maioria das vezes as pessoas reagem ao que é NOVO!
(Romanos 12:1) - ROGO-VOS, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
(Romanos 12:2) - E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.

Nós congregamos hoje numa igreja que há pouco se tratava de uma “novidade” no meio evangélico do local; e qual foi a reação de todas as outras igrejas (não esqueça que igrejas são pessoas e não lugares)? Esconderam-se atrás do que já viviam, declararam que eram TRADICIONAIS e que nós estávamos trocando a Palavra verdadeira por um MODISMO, éramos hereges, filhos do diabo, entre outras coisas, mas hoje eles já podem perceber que Deus estava movimentando seu poder para mostrar que a grande novidade era viver o início, um grupo que se baseava na igreja primitiva, que se reunia de casa em casa.
Deus gosta de novidades, Ele quer isso para a nossa vida numa atividade cíclica, em constante renovação. Isso começa quando nós aceitamos a autoridade de Jesus Cristo nas nossas vidas!
(Romanos 6:4) - De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em NOVIDADE DE VIDA.
(Romanos 7:6) - Mas agora temos sido libertados da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em NOVIDADE DE ESPÍRITO, e não na velhice da letra.

Precisamos aprender algumas lições com aquilo que Deus deseja de nós em relação às suas novidades:
1 – Deus não nos criou para sermos robôs. Ele nos fez com entendimento e com inteligência e sensações para que pudéssemos buscar aprender cada vez mais e isso implica em aceitar a visão do que é novo;

2 – Dentro de nós deve haver uma constante busca do que é novo;

3 – Deus se agrada quando encontramos nEle maneiras novas e eficazes de anunciar o Evangelho;

5 – O evangelho em si quer dizer: Boa NOVA. Se é boa NOVA, é algo que é constantemente NOVO;

6 – O NOVO trás alegria:
(Lucas 2:10) - E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago NOVAS de grande alegria, que será para TODO O POVO: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor.

7 – Deus espera que vivamos em novidade de vida!!!
(Apocalipse 21:5) - E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço NOVAS todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis.

Deseje uma unção nova, óleo novo, vinho novo, energias novas para aumentar a sua disposição em pregar o Evangelho. Não subestime a ação de Deus imaginando que o que você faz é algo pequeno ou ultrapassado, peça a Deus que derrame uma unção fresca, nova sobre a tua vida.

Jesus morreu para que nós pudéssemos viver uma vida nova, em amor, graça, união, compartilhamento, buscando ver o que está na mente de Deus e nós ficamos com a falsa ideia de que a novidade acontece somente no momento em que aceitamos a Jesus como nosso Salvador, no momento em que nos convertemos, vai eternamente além disso!
(II Corintios 5:17) -  Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.
Existem pessoas que vão procurar o novo fora da presença de Deus, e eles se tornam seguidores de tendência. A nossa tendência é seguir os sentimentos, as vontades da nossa carne e quando isso acontece nossos olhos começam a ver como novidade coisas que não agradam ao Senhor. Um exemplo claro disso está registrado na parábola do filho pródigo: há pessoas que estão na casa do Pai, com todo conforto, e condição de buscar o melhor, o mais novo, o ideal, mas resolvem que existem novidades além dos limites da casa do Pai.
(Lucas 15:18) - Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti;
(Lucas 15:19) - Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.
(Lucas 15:20) - E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.
(Lucas 15:21) - E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho.
(Lucas 15:22) - Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés;
(Lucas 15:23) - E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos;
(Lucas 15:24) - Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.

Se existe algo que atrapalha o novo acontecer na nossa vida é o apego ao que é velho. É muito comum uma dona de casa guardar panos de pratos com queimaduras com pena de jogá-los fora, dizem que ainda podem ser usados e com isso deixam ter panos novos. Às vezes amamos um carro velho, cuidamos como se fosse novo, gastamos rios de dinheiro com mecânicos, dinheiro que poderia se aplicado num carro novo. Em suma: é preciso tirar o velho para que o novo venha.

Inegavelmente, reconhecer o seu próprio erro, voltar, pedir perdão e conserto trás o renovo de Deus sobre a nossa vida.
Não se prive de viver em novidade de vida, não despreze os dons que Deus tem te dado, com medo de ser um pagador de “mico”!
(Lamentações 3:22) - As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; Se renovam a cada manhã; grande é a Tua fidelidade.






Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson

- VOCÊ ESTÁ CHEIO DE QUE?

Efésios: 5: 17   Portanto, não sejais faltos de juízo, mas buscai compreender qual é à vontade do Senhor. E não vos embriagueis com vinh...