sábado, 23 de agosto de 2014

- MORAL DA HISTÓRIA


Cansado de ver seus sermões caírem no vazio, um pastor resolveu dar uma lição inesquecível aos seus ouvintes.

Num dos cultos dominicais mais concorridos, ele subiu ao púlpito com seu aparelho de barbear, bacia, água, espuma, caneca, espelho e toalha. Nem sequer cumprimentou a igreja e, tranquilamente, colocou água na bacia, testou a temperatura, ajeitou o espelho, pegou uma caneca, fez espuma, passou no rosto, e começou a se barbear.

Gastou vários minutos nisso, que pareceram uma eternidade para os presentes.

Ao final, quando todos esperavam que o pastor fosse fazer um desfecho maravilhoso, fosse lhes apontar o “moral da história”, ele simplesmente enxugou o rosto com a toalha, encerrou o culto e despediu o povo de volta para as suas casas.

Aquela semana foi atípica. O povo comentou o fato todos os dias, tentado adivinhar o significado de tudo aquilo:

“- Que mensagem ele quer nos passar?”

“-Qual é o simbolismo espiritual da água, do sabão, do barbear-se?”

Dias depois, quando ele subiu novamente àquele púlpito, a igreja estava cheia. O pastor olhou para a congregação e disse-lhes:
- Sei que vocês querem saber o significado do que fiz aqui neste púlpito na semana passada. Bem, eu vou lhes dizer: não há significado algum! Nenhum simbolismo. Nenhum desfecho maravilhoso. Nenhuma mensagem. Nenhum “moral da história”.

- No entanto, se podemos tirar alguma lição disto tudo, é a seguinte: Há anos eu venho apresentando para vocês a mensagem bíblica, mas não tenho visto nenhuma mudança em suas vidas. Minhas mensagens têm caído no esquecimento, tão logo vocês saem do templo. Eu gostaria que vocês comentassem meus sermões durante a semana, do mesmo modo que se dispuseram a comentar o meu barbear nestes últimos dias, ou será que a minha barba é mais importante para vocês que a Palavra de Deus?

E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas.
Deuteronômio 6.6-9




Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson

- ISSO É QUE É SER CRISTÃO?


Esta é mais uma daquelas histórias que passa de boca em boca, mas reflete o que verdadeiramente deve acontecer com alguém que é transformado pelo poder do Espírito Santo de Deus e para quem “coisas velhas já passaram e tudo é novidade”!

Parece engraçado, mas é uma maravilhosa comprovação do poder que o Evangelho tem para agir de forma simples e clara, impactando a vida de pessoas que aparentemente estão distantes de Deus, trazendo-as para a presença do Senhor, como fiéis pregadores da Sua Palavra!

Foi em Goiás, numa cidade do interior. Um fazendeiro que não gostava de crente e que nunca permitira que ninguém lhe falasse de Jesus, sem saber, contratou os serviços de um evangélico, que antes de se converter a Cristo era ladrão.

No entanto, num episódio de fraqueza, o ex-ladrão voltou às escondidas à fazenda e roubou uma porca do fazendeiro, mas, não conseguiu dormir aquela noite, pois, o Espírito Santo inquietou sua consciência e, logo de manhã, ele foi se aconselhar com seu pastor, que exigiu, como prova de sua sinceridade, que ele voltasse à fazenda, confessasse seu delito e reparasse o dano, pagando o fazendeiro com dinheiro ou serviço.

Apesar de querer muito reparar aquela situação, o rapaz tinha medo da reação do fazendeiro, pois ele era arrogante, estúpido e violento. Demorou quase uma semana, mas, finalmente, no domingo seguinte, ele criou coragem e voltou à fazenda.
- O que o traz aqui assim tão cedo, meu amigo?
- Vim lhe confessar um crime.
- Que crime rapaz?
- Depois que o senhor me pagou aquele último serviço, eu voltei aqui na fazenda e roubei uma porca. O senhor não sabe, mas, desde bem cedo na vida fui um ladrão, mas, agora sou crente e não posso mais fazer isso. Não tenho dinheiro para lhe pagar, mas posso pagá-lo com serviço, e garanto-lhe não vou nunca mais mexer nas suas coisas ou de qualquer outra pessoa.

O fazendeiro demorou alguns segundos para entender o que o rapaz havia acabado de lhe falar, mas, logo depois gritou:
- Mulher, chame nossos filhos e venham aqui, todos vocês.

O rapaz achou que iria levar a maior surra de sua vida, pois os filhos do fazendeiro eram uns rapazes muito fortes e, como o pai, também violentos.

Quando eles chegaram, o fazendeiro ordenou:
- Moço, eu devo admitir que você tem coragem. Faça o favor, repita para meus filhos e para minha mulher tudo o que você acabou de me falar.

E o rapaz repetiu. Se tremeu na primeira vez, agora, então, nem se fala. Sua voz mal saía da garganta.
- É isso que é ser crente, moço?

- Rss…

Mas, para sua surpresa, o fazendeiro falou:
- Ser crente é ter coragem de confessar o próprio erro e se propor a reparar o prejuízo? Se é isso que é ser crente, eu, minha esposa e meus filhos também queremos ser crentes. Como é que a gente faz pra ser crente?

Todos eles se converteram e o temido fazendeiro tornou-se um dos mais influentes pregadores do evangelho daquela região.

Quanto à porca? Bem, o fazendeiro ficou tão feliz com Jesus que disse para o rapaz:
- A porca, fica de presente pro irmão!

Aquele que furtava, não furte mais.
Efésios 4.28


Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr. William Thompson

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

- NOVE SEGREDOS QUE A ESPOSA DO SEU PASTOR GOSTARIA QUE VOCÊ SOUBESSE

Este texto vai como uma homenagem a um pastor que esteve bem próximo de mim e muito especialmente para sua esposa. Que todos saibam que esposas de pastores não são, definitivamente não são, super seres humanos, que estão sempre sorrindo, com uma total tranquilidade e mesmo quando tudo está por desabar ela está sorrindo como uma miss em seu desfile. Este texto vai lhes dizer o quando vocês devem respeitar e entender que a esposa do seu pastor, por causa do ministério dele, está sujeita a depressão, ansiedade, pânico, tristeza profunda, amargura, entre outras coisas; do mesmo jeito que eu, você e todo mundo. PRESTE MUITA ATENÇÃO NO QUE VOCÊ VAI LER AGORA!!!

Por Christina Stolaas
Tradução e Versão : Carla Ribas


Ela está sempre lá. Às vezes nos bastidores, às vezes com um sorriso de boas-vindas, às vezes notada e reconhecida, às vezes sendo silenciosamente julgada.

A esposa do seu pastor; a força poderosa por trás da maioria dos líderes das igrejas e muitas vezes vista como um mistério pelo resto da igreja. Porém, não precisa ser assim.

E se pedíssemos que a esposa do nosso pastor compartilhasse alguns dos seus segredos abertamente, honestamente, mesmo que anonimamente? E se pedíssemos que ela compartilhasse os seus sentimentos e revelasse o que gostaria que a igreja soubesse?

Fiz uma pergunta simples e aberta para diversas esposas de pastores, em diferentes cidades e denominações, ocupando o cargo há vários anos - "Se pudesse dizer à igreja algumas coisas sobre o seu papel como esposa do pastor, o que você diria?“

As mulheres selecionadas são esposas de pastores presidentes, pastores locais, pastores líderes das crianças, pastores de jovens e ministros de música. Alguns servem em igrejas muito grandes com orçamentos ainda maiores, outros em igrejas recém inauguradas e até mesmo algumas antigas congregações. Apesar das diferenças, as respostas são curiosamente similares e, em muitos casos, quase idênticas.

Sentei-me para um café, troquei e-mails e tive longas conversas com muitas esposas que livremente compartilharam seus segredos comigo em troca da promessa de anonimato. O que se segue é um conjunto condensado das suas respostas.

1) "Eu queria que as pessoas soubessem que lutamos para ter tempo para a família."
Houve uma resposta que recebi de todas elas. Cada. Uma. Delas. Todas. Repetidamente, muitas esposas compartilharam inúmeras ocasiões quando as férias planejadas foram abreviadas (difícil?). Contaram histórias sobre noites familiares sendo reorganizadas por conta de crises de membros da igreja, emergências no meio da noite e interrupções regulares. Um verdadeiro dia de folga é raro; mesmo em dias programados, seus maridos estão de plantão 24/7.

2) "Quase todos os dias tenho medo de estragar tudo."
Elas não são perfeitas. Lutam muitas das mesmas batalhas que todas as outras mulheres: problemas conjugais, dificuldades familiares, doenças, finanças, filhos que tomam decisões erradas, medos e inseguranças. Algumas estações da vida são, obviamente, mais difíceis do que outras; mas lembre-se, as esposas dos pastores não são como a Mulher Maravilha, com poderes especiais. Por favor, tenham um pouco de misericórdia e compreendam.

3) "Ser esposa de pastor é solitário, por muitos motivos."
Pessoalmente, acho isso surpreendente para muitos (é para mim). Várias esposas compartilharam as dificuldades de encontrar amizades seguras, sendo olhadas (ou tratadas) de forma diferente e até mesmo desejando serem convidadas para um compromisso informal de senhoras. Uma esposa sugeriu," convidem-nos para algo apenas para nos conhecer. Nós gostamos de ser conhecidas.” As pessoas na igreja, muitas vezes pensam que a esposa do pastor é sempre convidada e popular. Na verdade, por qualquer motivo, algumas mulheres temem fazer amizade com elas. Aos domingos, as esposas dos pastores sentam-se sozinhas e, as que tem filhos são, essencialmente, mães solteiras.

4) “Não há problema algum e é bem-vindo conversar comigo sobre as coisas que não dizem respeito à igreja, ou mesmo Jesus. Pronto, falei!”
Elas possuem uma variedade de interesses. Acredite ou não, muitas esposas de pastores frequentaram a faculdade e tiveram suas carreiras em tempo integral antes de se tornarem "a Sra. esposa do Pastor. "Elas possuem hobbies, gostos e desgostos, e embora muitas vezes sirvam ao lado do seu marido, são indivíduos com interesses e dons próprios. Não cometa o erro de pensar que a esposa do seu pastor tem a mesma personalidade do seu marido. Uma esposa contou que,​ ao anunciarem o seu noivado, as pessoas comentavam regularmente que ela deveria ser uma ótima cantora (porque o marido seria um ministro de música). Ao contar que sua voz estava mais para um gato à beira da morte do que um elegante pássaro cantando, o choque em seus rostos era evidente.

5) "Às vezes, o domingo é o meu dia menos favorito. Espere - posso dizer isso?"
Os domingos são difíceis. E longos. E não há descanso. Para a esposa de um pastor o domingo significa correria logo no início da manhã, quando ela apronta toda a família para o seu “Melhor Domingo". Mesmo que não veja a esposa do seu pastor no púlpito, pode ter certeza, o domingo é igualmente cansativo para a maioria (todas) delas.

6) "É difícil não guardar rancor ou não retrucar quando os membros da igreja criticam abertamente o seu ministério."
Elas odeiam a crítica da igreja mais do que qualquer coisa. É doloroso, ofensivo e sim, é muito difícil não levar para o lado pessoal. É uma das coisas mais prejudiciais que testemunham regularmente dentro da igreja seja através de e-mails, mídias sociais ou fofocas. Elas desejam que as pessoas entendam quão sério a palavra de Deus fala sobre o perigo e o poder das nossas palavras. E o quanto isso fere a família do pastor.

7) "Por favor, não me subestime ou pense que não apoio o meu marido só porque você não me vê todas as vezes que as portas da igreja estão abertas."
A maioria das mulheres não são funcionárias pagas. São esposas, mães e algumas trabalham fora de casa e precisam ter liberdade para orar e escolher os ministérios para os quais se sentem chamadas.

8) "Eu gostaria que as pessoas soubessem que nós ensinamos os nossos filhos a fazer boas escolhas, mas, às vezes, eles não obedecem."
As piadas sobre filhos de pastores devem ser evitadas a todo custo. O risco de rebelião para um "filho do pregador" não é nenhum segredo. Eles não são perfeitos, e nunca serão (os seus são?). Eles têm que aprender a caminhar na fé, assim como as outras crianças e precisam de incentivo e amor para fazê-lo. Mais uma vez, compreenda.

9) "O que eu posso dizer é que tenho sido abençoada além da medida, recebi presentes, dinheiro, amor e oração, tanta oração ... de tantas pessoas."
Elas amam a sua igreja e compreendem que o cargo vem acompanhado de desafios especiais e bênçãos especiais; ele é gratificante e proporciona -lhes grandes alegrias.

Uma Consideração Extra:
Embora incomum, uma resposta se destacou. O topo da lista de uma esposa de pastor experiente simplesmente dizia: "Eu apaguei o meu número 1." Alguns segredos são tão difíceis de compartilhar que, até mesmo a promessa de total sigilo, não é suficiente para revelá-los.
Essas mulheres fiéis desejam que saibamos de algumas coisas e, como um corpo de crentes trabalhando juntos para o mesmo objetivo, penso que, ao ouvi-las, podemos compreender melhor como valorizar os nossos líderes . Todas estas respostas apontam para uma verdade singular. A esposa do seu pastor é um ser humano que deseja ser conhecido, assim como você.



Você, esposa de pastor, poderá contribuir com esse artigo compartilhando o que desejar no espaço para os comentários.

Fonte em Inglês: ShatteredMagazine.net
Fonte em Portugês: www.vivabonsmomentos.com
Tradução e Versão: Carla Ribas




Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson

sábado, 2 de agosto de 2014

- O EVANGELHO DE JESUS É O EVANGELHO QUE VIVEMOS?


Fonte: Pr. Marcio de Souza

Vivo me perguntando isso! Porque se o Evangelho que vivemos é o mesmo que Cristo viveu, tem algo errado comigo, porque o que vejo não condiz com o que leio nas Escrituras Sagradas.

Quando leio a Bíblia, vejo Jesus se relacionando frequentemente com ímpios (não crentes), andando com prostitutas (sem praticar prostituição), sentando e comendo com publicanos, evangelizando seu nenhum pudor e pregando a graça escandalosamente.

Certa feita, Ele transformou água em vinho, mas hoje o Evangelho diz que não se pode tocar em álcool. Noutra oportunidade, Ele se alegrou com pessoas que não professavam o mesmo credo dEle. Ele tocava em gente discriminada pela sociedade e os socorria nas suas necessidades sem esperar nada em troca, mas o Evangelho hoje diz que se nos misturarmos com gente que vive a margem da sociedade, nos tornaremos "farinha do mesmo saco".

O Evangelho que Jesus vivia, dava contra as portas do inferno e as portas do inferno não resistiram, mas o Evangelho que vivemos hoje suporta os ataques infernais é o inferno que dá contra as portas da igreja e nós "bravamente" resistimos.

No Evangelho que Jesus vivia a indivíduo pensava primeiro na comunidade, mas hoje pensamos como diz o adágio a filosofia de "farinha pouca, meu pirão primeiro". No Evangelho de Jesus o amor era a tônica, mas hoje amor é secundário o importante é mantér a igreja cheia e os gasofilácios transbordando. No Evangelho de Jesus, simplicidade era um estilo de vida, mas hoje acumular riquezas é mais do que necessário é imperativo.

Pois é, ainda dizem por aí que é tudo igualzinho a Igreja primitiva, foi só o tempo que passou, mas na realidade, estamos a léguas de distância do Evangelho de Jesus e vivemos abraçadinhos com o Evangelho dos evangélicos!



Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr. William Thompson