terça-feira, 31 de julho de 2012

- AOS AMIGOS E IRMÃOS:


domingo, 29 de julho de 2012

- IGREJA, O GRANDE HOSPITAL DA HUMANIDADE


Nós vivemos num mundo extremamente ativo. Corremos pra todo lado, fazemos “n” coisas ao mesmo tempo e muitas vezes não observamos o que estamos fazendo, o que somos e o que realmente é necessário à nossa vida.

Como pessoa, de que maneira você tem visto os necessitados que vivem à sua volta? Tem tido tempo pra isso? Tem se preocupado com isso? Tem procurado agir nessa direção? Talvez sua resposta seja: “EU NÃO TENHO TEMPO PARA ISSO!”

VAMOS ENGROSSAR O CALDO!

E COMO IGREJA? O que nós temos feito em relação a todo tipo de gente que vem até nós. Se a igreja somos nós e cada um vive com o seu cada um como ficam os pobres, os necessitados, os doentes?

Nós vamos viajar numa parábola e não é uma parábola narrada entre as várias que Jesus nos deixou, mas uma parábola que o Espírito Santo de Deus colocou no meu coração: A PARÁBOLA DOS ENFERMOS ESPIRITUAIS E DO HOSPITAL ESPIRITUAL!!!

Ø ·MATEUS (cap. 10) ·

42 E aquele que der até mesmo um copo de água fresca a um destes pequeninos, na qualidade de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá a sua recompensa.

- Jesus está dizendo aqui o seguinte: faça alguma coisa por essas pessoas porque eu mesmo vou recompensá-los.

Todo ser humano gosta dessa palavrinha, não é mesmo?

RE COM PEN SAS: o que será que eu vou ganhar? Deve ser algo bom, assim...

O CALDO VAI ENGROSSAR!!!

Se nós tivermos vida no Corpo de Cristo vamos viver como Ele mandou:

Ø ·MATEUS (cap. 10) ·

8 - Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, limpai os leprosos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.
 A Igreja hoje tem perdido ou fugido do seu papel de HOSPITAL. Hospital instituído pelo próprio Jesus a fim de que muitos sejam salvos ou curados; como quiserem!

·MARCOS (cap. 2)·

16 Vendo os escribas dos fariseus que comia com os publicanos e pecadores, perguntavam aos discípulos: Por que é que ele come com os publicanos e pecadores?

17 Jesus, porém, ouvindo isso, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas sim os enfermos; eu não vim chamar justos, mas pecadores.

Nas entrelinhas Jesus está dizendo eu sou médico e vim procurar pessoas doentes, pessoas que necessitam de cura. Hoje nós temos visto igrejas jogando doentes na rua, com o pretexto de que são Gabrielas (EU NASCI ASSIM, EU CRESCI ASSIM, EU SOU MESMO ASSIM, VOU SER SEMPRE ASSIM: GABRIELA!) ESQUECERAM DE QUE SÃO SERVOS DE DEUS E QUE PRA DEUS NADA É IMPOSSÍVEL!!!

Jesus fundou o grande hospital da alma, um hospital universal chamado igreja! Nós sabemos que Ele é o Rei dos reis, Senhor dos senhores e Médico dos médicos e por isso Ele nos chamou, nos vocacionou e nos capacitou para sermos médicos, enfermeiros, operadores de elevador, empurradores de maca, de cadeiras de roda, atendentes, telefonistas, e mais o que tiver num hospital!

Este texto bíblico de MARCOS (cap. 2: 16-17)·chama-nos a atenção para duas prioridades que o Senhor Jesus tinha e tem com relação à raça humana.

A primeira é a sua preocupação com ela: Ele sabe que ela está “doente”, corrompida pelo pecado e separada de Deus. Por isso, Ele deixa claro aos religiosos da época essa sua preocupação, afirmando que veio para aqueles que estão doentes e não para os justos, ou pelo menos não para aqueles que se consideram justos e que não precisam de Deus (mesmo entendendo que estes também necessitam).

A sua segunda prioridade é ir até onde estão os doentes, os pecadores: Ele foi até eles. Mesmo sendo estes considerados os piores pecadores, o Senhor Jesus foi e se sentou a mesa com eles. Por isso, era considerado “amigo dos pecadores” (apelido lindo e adequado para o Cristo de Deus e pra nos também).

O Senhor Jesus não somente se preocupava com os pecadores, os doentes. Ele efetivamente colocava em prática essa preocupação indo onde eles estavam para assim levar a cura para a enfermidade da qual padeciam.

A RAZÃO DA EXISTÊNCIA DE UM HOSPITAL SÃO OS DOENTES e hoje eles são esquecidos em detrimento de equipamentos de som, luz, instrumental, bancos ou cadeiras confortáveis...

A razão de existência da igreja são os doentes espirituais e hoje temos esquecido ou escolhido os doentes que queremos tratar. É claro que às vezes recebemos doentes com males fáceis de serem tratados; como uma doença de pele, bem superficial, uma alergia, uma gripe. Mas pode acontecer de recebermos doentes com males crônicos, com doenças graves da mente como fortalezas, cegueira, doenças da coluna como cerviz endurecida, doenças do coração, tuberculoses, hepatites, doenças causadas por falta de higiene da boca, deprimidos, doenças dos ossos, traumatizados etc. Nós temos que estar prontos para receber, cadastrar e tratar cada uma dessas pessoas, temos que lembrar que Deus nos capacitou para sermos os médicos, ou seja, os discipuladores, tratadores dessas pessoas pelas quais Jesus também morreu, E O NOSSO TESTEMUNHO PODE SER O PRINCIPAL MEDICAMENTO NESSE PROCESSO DE CURA.

Mas num hospital os profissionais ficam expostos a todo tipo de vírus, bactérias e doenças em geral, por isso regularmente passam por exames de check-up; para nós igreja, reciclagem; para vermos se não estamos contaminados, doentes e com potencial para contaminar outras pessoas, sejam elas pacientes ou “colegas de trabalho.”

Num hospital acontece ainda um outro fator de risco: A INFECÇÃO HOSPITALAR!

Na igreja existem vários fatores que podem revelar um quadro infeccioso e que pode até interditar o “hospital”, provocando a transferência de pessoal e fatalmente a aceitação de novos doentes.

VEJA AS MUITAS SEMELHANÇAS ENTRE A IGREJA E UM HOSPITAL

A Maternidade: Nos melhores hospitais sempre existe a maternidade. É ali que nascem os bebês. É onde ocorrem os partos. Na Igreja também isso deve ser uma constante (João 3:7). Os novos nascimentos devem ocorrer. Igreja que não vive a experiência de ter nascimentos, onde não se tem bebês espirituais, está em processo de estagnação, de decadência espiritual.

Mas, assim como em um hospital existem aqueles que fazem os partos e aqueles que cuidam dos bebês imediatamente aos partos, na Igreja também Deus capacita pessoas para tais funções (ministérios). Os nascimentos, os partos se dão pelo poderoso convencimento do Espírito através da pregação do Evangelho. Os pregadores, evangelistas e ensinadores da Palavra de Deus têm parte nisso. Deus os capacita extraordinariamente para exercer esses ministérios visando alcançar os pecadores perdidos (os pacientes). Após isso são encaminhados ao Berçário.

No berçário entra o trabalho dos enfermeiros (as) espirituais, cuidando dos bebês que acabaram de nascer.

É necessário aquecê-los, dar-lhes carinho e amor, encaminhá-los a primeira mamada, muitas vezes niná-los, dar o “colinho”, enfim, observá-los com cuidado e zelo, pois ainda são totalmente incapazes de viver sozinhos. São bebês. Precisam que alguém cuide deles.

Talvez Deus tenha capacitado você para ser um destes que servem na maternidade ou no berçário espiritual. Talvez seu ministério seja encaminhar aos partos ou cuidar dos bebês espirituais.

A Pediatria: Nos hospitais existe uma área destinada ao atendimento às crianças. Na Igreja, quando os bebês são bem cuidados e alimentados adequadamente, eles crescem e se tornam crianças. Estão se desenvolvendo (1 Cor. 3: 12). E também necessitam de cuidados especiais.

Nesta fase já conseguem pegar os alimentos e comer até sozinhos. Porém, não discernem o bom alimento daquele que pode prejudicar-lhes a saúde. Ainda precisam que alguém prepare o que vão comer (é preciso preparar a famosa "papinha" ou a mamadeira que alguns teimam em não deixar).

Importante saber que gostam muito de alimentos que são saborosos ao paladar. Não são simpáticos àqueles que são fundamentais para o bom crescimento. Preferem os doces, as guloseimas e tudo que lhes traz satisfação naquele momento. Também fazem muita bagunça e barulho. São extremamente sensíveis e melindrosos. Choram à toa. Dormem quando é pra ficar acordado e ficam acordados quando é pra dormir. Quebram as coisas. Falam o que não é pra falar. Ficam “emburrados” e gostam muito de ser elogiados.

Ora, são crianças. O que podemos esperar? Não podemos exigir deles que tenham atitudes de adultos. Chegarão lá.

Temos que ter paciência, amor e entender isso.

Por isso, precisam de pessoas cuidando deles.


A boa alimentação (discipulado, ensino, aconselhamento...) são alimentos essenciais para as crianças crescerem, mas não esqueça de vez em quando de levá-las para passear (momentos de comunhão), de brincar com elas (confraternizações, eventos) e de demonstrar seu amor de forma objetiva (ouvindo-as e dedicando a elas sua atenção). Tudo isso faz parte da boa infância, inclusive espiritual.

Talvez você seja uma dessas pessoas que Deus capacitou para cuidar das crianças espirituais nesse grande hospital que é a Igreja.

A Clínica Geral: Nos hospitais e clínicas, os clínicos gerais são aqueles que tratam, a princípio, de todo tipo de enfermidade crônica em seu diagnóstico inicial. Quando verificam qual tratamento devem disponibilizar ao doente o encaminham a um especialista naquela área.

Na Igreja podemos encontrá-los realizando o trabalho de ensino de uma forma geral. Podem ser professores de Escola Bíblica ou líderes de grupos pequenos, células, por exemplo. Levam o alimento a todos e o remédio necessário àqueles que estão sendo tratados de enfermidades espirituais crônicas, como é o caso de pessoas que sempre ficam doentes da mesma enfermidade. São curadas, mas por não cumprir com as observações e medicamentos prescritos voltam a ficar doentes. Precisam ser corrigidas e advertidas de tais atitudes. Os clínicos gerais tem muitas vezes essa função.

Talvez Deus tenha capacitado você para ser um clínico geral.

A Ala Cirúrgica: Os cirurgiões são aqueles responsáveis pelas operações mais delicadas e indispensáveis quando os demais tratamentos não surtiram o efeito desejado. São tratamentos drásticos. Não há mais a possibilidade desses doentes serem curados através de medicação ou tratamentos mais comuns. É necessária uma cirurgia.

Na Igreja ou através da Igreja, muitas vezes isso também é necessário para que o doente seja restaurado ou até salvo.

A cirurgia é dolorosa e sofrida. Muitas vezes é demorada e trabalhosa. Requer um período de preparação e após, de restabelecimento. Mas, se feita corretamente e se seguida de todas as precauções e cuidados, restaura a qualidade de vida do doente. Espiritualmente isso também é um fato. Não podemos expulsar (excluir) doentes simplesmente porque estão doentes. Não é pra isso que existe o hospital (Igreja)? Não podemos mandar embora os que precisam ser tratados. Esse não é o papel de um hospital, e muito menos de uma Igreja verdadeiramente cristã.

Deus capacita certos crentes para esta tarefa (ministério). São líderes que entendem a importância e o momento certo de efetuarem essa operação. São homens e mulheres de Deus, capacitados, vocacionados e preparados para esse delicado trabalho.

Você pode ser um destes. Já pensou nisso?

O CTI: Este local é temido por todos. Quando se está internado no CTI corre-se sério risco de morte. Geralmente, aqui as pessoas estão em coma, ou seja, muitas estão vivas apenas porque aparelhos assim o permitem.

Estão quase mortas. Já não conseguem se comunicar com as demais pessoas. Não falam. Não veem. Estão inconscientes.

Espiritualmente, muitos assim se encontram. Já não conseguem ver as coisas espirituais, não conversam mais sobre as coisas de Deus e não percebem que a consciência foi cauterizada pelo pecado que estão cometendo constantemente. Alguns já serviram e trabalharam em um hospital local (igreja local), mas hoje estão tão doentes quanto àqueles que um dia trataram.

Estão vivos espiritualmente porque alguém ainda ora e intercede por eles. Estão ainda vivos porque Deus ainda os ama e os tem preservado.


Porém, precisam de tratamento intensivo. Precisam de remédios específicos e de muita paciência, para que novamente voltem à vida que já desfrutaram.

O coma pode durar horas, dias, meses e até anos. Requerem dos médicos e enfermeiros que trabalham nesse setor muita perseverança, esperança, confiança e fé.

Mas, enquanto estiverem ligados pelos aparelhos, tudo pode mudar.

Você pode ter sido chamado e capacitado por Deus para trabalhar em um CTI espiritual e cuidar dessas pessoas enquanto estão inconscientes, até que despertem.

A Geriatria: Esta área é separada para os mais idosos, ou seja, aqueles que já viveram muitos anos e agora estão em sua velhice. Os cuidados aqui são tão especiais quanto para as crianças. Alguns dizem que nessa fase voltamos a ser crianças.

Os nossos queridos mais experientes necessitam também de uma alimentação adequada a sua idade. Alguns ficam doentes com enfermidades próprias da idade, causadas muitas vezes pelo excesso de trabalho durante a vida ou ainda pela má alimentação que tiveram. Alguns têm feridas antigas que carregam sem ainda estarem cicatrizadas. Também requerem atenção e carinhos constantes, mas acima de tudo possuem uma sabedoria de vida sem igual que não pode e não deve ser desprezada.

Gostam muito de conversar e de contar os acontecimentos ocorridos na sua vida. Ouvi-los com atenção sincera além de ser remédio para eles, nos traz conhecimento para nossa vida.

Aprendemos muito com eles. E mais, um dia lá estaremos.

Quem sabe, você não foi capacitado por Deus para cuidar deles.

Percebeu como existem muitas semelhanças entre um hospital literal e uma igreja local.

Há muitas outras, porém creio que essas já bastam para compreendermos nossa missão.

E sendo assim, algumas perguntas são pertinentes.

Qual sua especialidade nesse grande hospital que é a Igreja?

Temos como membros dessa Igreja nos preocupado com os doentes que estão fora de nossas paredes?

Temos nos preocupado em alcançá-los?

Temos nos preocupado com os doentes dentro de nossas paredes?

Temos buscado curá-los ou temos expulsado muitos porque estão sofrendo de enfermidades graves?

Temos tido paciência?

Temos compreendido que as enfermidades, muitas vezes são acompanhadas de revolta e desânimo? Temos aplicado o bom remédio de Deus? Temos amado o suficiente?

Finalmente, observando a analogia usada por Cristo, temos entendido que a Igreja Cristã, também pode ser entendida como o maior hospital desse mundo?

·I CORINTIOS (cap. 11)·
30 Por causa disto há entre vós muitos fracos e enfermos, e muitos que dormem.


SE OS MALES NÃO FOREM TRATADOS DA MANEIRA BÍBLICA VÃO SE TRANSFORMAR NUMA DOENÇA CHAMADA MAU TESTEMUNHO!

E ISSO PODE SE TORNAR CRÔNICO!

C U I D A D O ! ! !

Entre os trabalhadores dos hospitais e os pacientes há os que se enquadram e há aqueles que acham que o hospital está chato, não tem remédios de qualidade, não querem tratar ou deixar-se tratar e vão procurar outros locais; uns para serem mais que atendentes ou enfermeiros e outros querendo um tratamento mais diferenciado. Para esse tipo de gente só tratamento de choque com doses maciças de CONFRONTO diariamente.

O dono desse hospital e de todos que nele trabalham garante a vitória sobre a enfermidade que assola a humanidade, o pecado.

Comuniquemos, revelemos e apliquemos o remédio para a cura dos doentes. Remédio esse que um dia nos foi comunicado, revelado e aplicado, Jesus Cristo.

Estar no hospital do Senhor Jesus (a igreja), ser tratado por Ele é algo tão maravilhoso e tremendo que a nossa saúde aumenta tanto que acabamos por ter VIDA ETERNA!!!





Um abraçono seu coração
Graça e Paz
Pastor William Thompson

quinta-feira, 26 de julho de 2012

- RELIGIOSIDADE E RELIGIÃO: VOCÊ NÃO PRECISA DISSO!!


Temos vivido um momento em que as pessoas estão num grande distanciamento de Deus, vivem suas vidas como se nada mais importasse, mas na maioria se dizem pessoas religiosas e de muita fé. Na mente dessas pessoas está estabelecida uma conexão entre fé, religiosidade e religião: isto é um enorme engano!!!

Em primeiro lugar vamos entender religiosidade e religião:

No senso comum, religião é entendida como prática religiosa. Religião e religiosidade são conceitos completamente diferentes. Religiosidade é uma condição inata, um atributo que nasce com o homem, natureza construtiva que o impele para viver em paz, social e individualmente. Religião é instituição humana, criada por homens, cujo objetivo é cultuar entidades divinizadas cultuadas como superiores á natureza humana. As religiões são instituições com ideologias polimorfas, com rituais diferenciados (culto, missa), com representantes personificados (pastor, padre, rabino) e com hierarquia e funcionamento semelhante aos de uma empresa, no que se refere á administração de bens, estrutura de organização e objetivos a atingir.

Algumas diferenças podem ser percebidas entre um conceito e outro, por exemplo: Religiosidade é condição atemporal, individual, inerente ao plano da imaginação e do sentimento; religião é temporal, grupal, ideológica, socialmente organizada. Religião se organiza por dogmas e hierarquia do grupo religioso; religiosidade se manifesta por atos mediados pelo bom senso (índole) individual. Religiosidade é manifestação desvinculada de interesses materiais e corporativos; religião é influenciada por esses fatores. Religião se origina da formação de classes numa sociedade (elites): governantes, sacerdotes, militares; religiosidade é uma condição intrínseca ao “modo de ser” espiritual de cada indivíduo.

O que tento explicar é que religiosidade é aquele vazio, aquela necessidade do divino que vem dentro de cada um de nós quando nascemos por termos sido desligados da comunhão direta com Deus quando o pecado entrou na natureza humana lá no Éden. É a vontade de reencontrar, estar novamente nos braços do Criador. Por conta do pecado ficamos desligados, numa linguagem mais atual, desconectados. A criatura separou-se do seu criador.

Durante muito tempo os cristãos latinos sustentavam a definição de Cícero de que "religião" era procedente de re-ligio e deriva-se do verbo re-legere, ou seja, "reler ou interpretar ao pé da letra" que, por extensão, significa cuidadosa reconsideração e profunda concentração da mente em estudo que reclama respeito e reverência. Esta é, provavelmente, uma das razões pelas quais os cristãos latinos eram identificados como aqueles que liam os seus escritos e neles retornavam pela busca do sagrado.

Porém, Lactâncio, antigo escritor cristão, afirmou, contrariamente a Cícero, que o vocábulo procedia do verbo latino re-ligare, "tornar a ligar; amarrar de novo". De acordo com a hermenêutica de Lactâncio, religião tratava-se de "um religamento das relações entre o homem e Deus".

Mas as revisões continuaram e outros sugeriram que procedia de re-eligere, ou seja, "voltar a escolher", como se o homem voltasse a escolher em definitivo a vida em direção ao sagrado. A filósofa brasileira Marilena Chauí, define o termo religião também a partir do étimo latino. Para a autora religião procede de religio, formada pelo prefixo re (outra vez, de novo) e o verbo ligare (ligar, unir, vincular). 

Definidos os parâmetros entre religiosidade e religião, concluímos que hoje nem eu nem você precisamos de nenhuma das duas: nem da religiosidade, nem da religião!

POR QUÊ?

1º - Já não existe mais motivo para vazio no coração humano. Imagine o sapatinho da Cinderela que só cabia no seu pé; a forma perfeita para o objeto perfeito. Deus é a forma perfeita e nós o objeto a ser preenchido por essa forma maravilhosa.
Mas se eu estou desligado de Deus, como poderei ser preenchido por Ele?

2º - JESUS, o nosso re-ligio, re-legere, re-ligare; foi enviado pelo próprio Deus para reaproximar-nos de Si.

Resumindo: religiosidade nos leva a uma procura constante – nós não precisamos disso. Em João 3: 16 está escrito: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

E em João 14:6 o próprio Jesus diz: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.

Não é mais necessária a procura, Deus enviou Jesus que nos mostrou o caminho e com sua morte na cruz e ressuresção nos religou ao Pai.

É necessário entender que enquanto a religiosidade nos leva a uma eterna procura, a religião acaba por fazer do religioso um cumpridor de regras, cego, muitas vezes fanático e obsecado.

Tiago nos fala da religião pura:

“A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.” (Tiago 1:26-27).

Então a própria Bíblia fala de religião, e pura?

Claro, Tiago está nos remetendo ao estilo de vida de Jesus Cristo. É por isso que o Cristianismo não é uma religião, mas um estilo de vida. Jesus é a nossa religião e já nos reconciliou com o Pai. Você conhece mais alguém que tenha morrido para te garantir vida eterna

(Romanos 5:10) - Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.

Agora, como entender a fé?

(Hebreus 11:1) - Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem.

É a fé que nos leva ao perfeito entendimento de que Cristo é o nosso caminho de volta ao Pai, que Ele mesmo deixou-nos o Espírito Santo, o Consolador.

(Lucas 17:5) - Disseram então os apóstolos ao Senhor: Acrescenta-nos a fé.

Se você pensa que ter fé é algo que vem de você mesmo, está terrivelmente enganado, na Bíblia encontramos várias passagens onde os discípulos e os que seguiam Jesus pediam a ele que lhes aumentasse a fé, portanto: a nossa fé vem de Deus, ela não é nossa, é a Fé de Deus em nós.

Por nós mesmos não teríamos condição alguma de crer naquilo que não vimos, (João 20:29) - Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram.

Sendo o homem, pois liberto da religiosidade e dos dogmas das religiões, dos rótulos e das máscaras, tendo em seu coração uma fé inabalável, genuína, vinda do próprio Deus e direcionada de volta para Ele, tendo como único intercessor o Filho, Jesus Cristo, que morreu e ressuscitou para a salvação de todo aquele que crê, tudo se faz novo, nascendo um nova criatura!

(2º Corintios 5:17) - Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

(João 8:32) - E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Jesus é a Verdade!

(João 8:36) - Se, pois, o Filho (Jesus Cristo) vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem.

Logo, nada mais pode te impedir de se achegar à presença de Deus, o preço já foi pago com o sangue de Jesus, que morreu e ao terceiro dia ressuscitou para a glória de Deus Pai.


Um abraço no seu coração
Fique na Paz e na Graça do Senhor Jesus
Pr. William Thompson








domingo, 22 de julho de 2012

- SE FALAR DO IRMÃO JÁ TEM GENTE QUE GOSTA... DO PASTOR ENTÃO...


Se existe algo intrigante no meio da igreja (qualquer igreja local), são aquelas pessoas que passam o tempo todo criticando, falando mal, comentando a vida de alguém , levantando rumores. Quando são chamadas à responsabilidade na maioria das vezes elas põe a culpa em outra pessoa (lembra de Adão e Eva) ou dizem: eu não estava falando por mal, estava apenas tecendo uma crítica “construtiva”, era só brincadeirinha.
O que essas pessoas não imaginam é que na totalidade das vezes em que isso acontece pessoas saem feridas, magoadas, traumatizadas e deprimidas, caídas.



Como pastor, já me acostumei a ser criticado, apunhalado pelas costas, ser traído por ovelhas e irmãos em quem depositava total confiança; mas o que fazer se nem mesmo Jesus Cristo escapou desse tipo de situação; vejam só o que falavam dEle:
Lucas 23:2 – Jesus foi acusado por muitas pessoas de estar:
                  ...enganando nosso povo.
                  (Novo Testamento Século XX)
 ...ensinando divisões ao nosso povo
[Os quatro Evangelhos] (E.V. Rieu)
...impedido-os de pagar impostos ao imperador.
                  (Novo Testamento Século XX)
                  ...dizendo-lhes que é errado pagar impostos.
                  Novo Testamento em Inglês moderno)
 ...afirmando ser um Rei ungido.
(Novo Testamento Enfatizado)
Em Lucas 11:15, Jesus foi acusado de ser capaz de expulsar demônios porque Ele é:
...enturmado com belzebu, o chefe dos espíritos malignos.
(Novo Test. em Inglês Moderno)

Paulo foi acusado
Em Atos 24:5, Paulo foi acusado de ser:
...um fonte de transgressão
(Novo Test. em Vernáculo Modernos)
...uma praga verdadeira.
(Novo Test. Versão Berkeley)
...uma peste pública.
(Novo Testamento Século XX)
...um perturbador da paz.
(tradução Weymouth)
...aquele que promove contendas.
Novo Testamento Século XX)
...um fomentador de discórdias.
(Tradução Livre da Bíblia Novo Inglês)
...um líder de seita.
(Tradução Livre da King James [Rei Tiago])
Em Atos 24:6, ele também foi acusado de ser alguém que:
...também tentou dessacralizar o templo.
(Novo Testamento Enfatizado)
...estava tentando tornar o templo impuro.
(Novo Testamento no Inglês Básico)
A realidade é que Jesus, Paulo ou mesmo eu e você, precisamos persuadir as  pessoas que estão ao nosso lado acerca do nosso caráter. Paulo era de fato um líder de uma seita e fonte de maldades? Alguma vez ele tentou dessacralizar o templo? Claro que não, nem tampouco Jesus era ou fez tudo aquilo que as pessoas disseram dele. E falaram tanto de Jesus que chegaram a crucificá-lo; mesmo sendo Ele inocente.
Há um ditado que diz que onde há fumaça, há fogo, isso quer dizer que em todo boato há um fundo de verdade, mas eu gostaria de lhe pedir uma coisa não fique vendo a fumaça e acreditando nos rumores, vá ao foco: GELO SECO COM ÁGUA TAMBÉM FAZ FUMAÇA!
Em suma: havia algum rumor de verdade nas acusações contra Jesus e contra Paulo? A resposta é NÃO!
Na experiência normal do ministério haverá rumores de acusações, rumores e estórias envolvendo cada homem de Deus.

O que vocês vão ler agora não se trata de uma ilustração, mas é a mais pura realidade:
“Um pastor muito meu amigo, (que eu prefiro não identificar para não causar constrangimentos) de uma Igreja Batista, tomou conhecimento de um rumor, boato, a famosa fofoca eclesiástica, que atingia a honra de uma pessoa na igreja e essa pessoa já estava à beira de uma crise de depressão, foi quando ele tomou uma atitude que eu nunca vi nenhum líder tomar: chamou a pessoa ofendida ao gabinete e perguntou: através de quem esses fatos chegaram aos seus ouvidos? Depois de relutar um pouco, com medo de envolver outras pessoas, ela acabou por dizer: foi fulano!
O pastor foi ao fulano e faz a mesma pergunta: através de quem esses fatos chegaram aos seus ouvidos? Depois de um pouco de relutância veio a resposta: foi beltrano e assim, ele foi puxando a corrente do mal que envolveu umas oito pessoas até chegar na criatura que tinha a lenha, o querosene e o fósforo. Resumindo; todos foram levados ao gabinete pastoral e as máscaras tiradas e sabe o que o incendiário disse: não foi bem isso que eu disse, fui mal interpretado, tudo não passou de um mal entendido e, a parte mais complicada; disse o pastor: então peça perdão e foi uma complicação até que a celeuma tivesse fim."
É sempre assim, existem pessoas que não percebem que estão sendo boca do diabo dentro da Casa de Deus e acabam disparando contra seus pastores (principalmente), seus líderes e irmãos. Se você quiser saber como isso funciona na realidade, leia a postagem “FOGO AMIGO” neste mesmo Blog.
Durantes uns três anos eu fui dirigente de uma congregação evangélica dentro de uma Unidade da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (Brasil) e lá todos sabiam e sabem até hoje da minha condição de Pastor e Ministro de Adoração. Em 2010 depois de cumprir o meu tempo de serviço (30 anos) fui para casa a fim de viver a sonhada aposentadoria junto da minha família e durante os exames de rotina que são feitos no momento da aposentadoria eu descobri que tenho um problema grave no coração e que segundo os médicos poderá me matar ao menor esforço. Houve então a necessidade de uma desaceleração nas atividades ministeriais e os colegas de farda e irmãos da congregação da qual havia sido líder resolveram formar um grupo para me visitar, mas uma "pessoa"  disse o seguinte a esses irmãos: “não façam essa visita, o pastor Thompson está em rebeldia, não quer receber visita de ninguém, proibiu o pessoal de igreja de ir à casa dele e, inclusive está até com uma “amante”. 
Sem saber de nada que acontecia, precisei ir ao antigo local de trabalho para assinar uma papelada relativa ao processo de reforma e, ao visitar as seções onde trabalham os irmãos que ainda fazem parte da congregação fui chamado em particular e eles me expuseram o que estava ocorrendo!
A vontade, que a carne traz na hora era chamar e desmascarar a pessoa, mas isso provocaria um escândalo que só traria prejuízo para o Reino de Deus. O que eu fiz? Fui atrás das testemunhas até encontrar alguém que me falou; “foi o fulano de tal, no momento que ele falou beltrano estava junto comigo e ouviu tudo e eu ainda fiquei a pensar: o Thompson é pastor, canta e toca nos cultos do batalhão, fazendo uma coisa dessas! NEM SEMPRE ONDE HÁ FUMAÇA, HÁ FOGO!
Esse porta voz do inferno foi chamado para tirar a estória  (estória mesmo) a limpo e sabe o que ele respondeu? Euuuuuu, nunca falei isso, deve haver algum engano, só que ele não sabia que eu já tinha as provas, mas pra evitar o escândalo já que a pessoa não é cristã, o caso ficou abafado, mas fiz como Paulo na , Primeira Carta a Timóteo no Capítulo 1: 19-20“Conservando a fé e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, naufragaram na fé. 20 - E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar.”  
O que tem me confortado é que eu sei em quem tenho crido e  o Espírito Santo de Deus não tem me abandonado, estou melhorando a cada dia e não abro mão de estar adorando e levando outros a adorar ao Senhor Comigo e uma coisa Ele tem colocado no meu coração: (I Timóteo 4:14) - Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério.
Vendo a minha tristeza e revolta um irmão me disse algo tremendo: têm dois anos que você está em casa, mas pergunte quem é você aqui? Todos te conhecem e sabem do seu testemunho, entregue-o nas mãos de Deus!
Estão falando de você?
Sempre me disseram uma frase que na realidade me incomodava um pouco: “NINGUÉM JOGA PEDRA EM ÁRVORE QUE NÃO DÁ FRUTO!”
Sabe o que isso me mostra que os apedrejadores são pessoas doentes, perdidas na casa do Pai, pessoas famintas por causa da inveja, do orgulho, da arrogância e tantas outras coisas por ai e que no fundo querem é se alimentar dos frutos que arrancam com as pedradas.



O que mais me interessa hoje e como sempre foi é: AGRADAR AO MEU DEUS, honrar o Seu Reino, testemunhar do Seu amor e falar do Seu nome.
Aos incendiários que saibam que o Sangue de Jesus me cobriu e mais uma vez o diabo saiu envergonhado!

Provérbios 6: 16-19: Há seis coisas que o Senhor detesta; sim, há sete que Ele abomina: (17) olhos altivosLíngua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente; (18) coração que maquina projetos Iníquos, pés que se apressam a correr para o mal; (19) testemunha falsa que profere
Mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.



Um agraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr William Thompson

quarta-feira, 18 de julho de 2012

- Nota: UM PEDIDO AOS AMIGOS





O Blog Adorador Extravagante tem sido visitado por pessoas de diversos países: Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Rússia, Malásia, Austrália, Portugal,Venezuela, Espanha, França, Suíça  Trinida e Tobago, Irlanda, Índia, Japão, Holanda, Costa Rica, Argentina, Canadá e Brasil, é claro. Eu fico muito feliz e agradecido por que são pessoas que nem sequer sabiam quem eu sou sendo o fato recíproco para mim também.
O que eu quero pedir a essas pessoas, nesses países tão distantes, é que mandem seus comentários, mesmo que contrários àquilo que vocês leram e não se preocupem com o idioma, vamos dar um jeito de traduzir, caso não sejam brasileiros vivendo no exterior.


Quero externar minha admiração (mesmo) por vocês terem me descoberto e estarem lendo os artigos publicados quase que diariamente no blog e peço ao Senhor que essas mensagens fiquem guardadas nos seus corações e que sirvam de experiências para futuras situações de vida, quer seja no âmbito físico/material ou mesmo e principalmente no âmbito Espiritual.
E que o Amor de Deus, a Graça Salvadora de Jesus Cristo e as doces e maravilhosas consolações do Espírito Santo sejam com cada um de vocês, com suas famílias  e que suas nações possam conhecer Este Deus MARAVILHOSO que transforma vidas e que as tira das trevas para sua maravilhosa Luz; amém!

P.S.: isto se aplica aos brasileiros também, é claro!
E não deixem de se identificar, por favor!


Um beijo no seu coração
Fique na Paz e na Graça do Senhor Jesus
Pr. William Thompson

terça-feira, 17 de julho de 2012

- O PECADO DÁ AUTORIDADE! AUTORIDADE NO PECADO?

Nós nascemos com a marca do pecado, temos a marca adâmica do pecado em nossa vida, motivo pelo qual Deus enviou Jesus, o Segundo Adão:

I Coríntios 15:22

Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo

I Coríntios 15:45
Pois assim está escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito alma vivente. O último Adão, porém, é espírito vivificante, e veio para nos dar vida e vida em abundância.

Você deve estar me perguntando: “o que isso tem a ver com o pecado dar algum tipo de autoridade?”

JÁ VOU TE EXPLICAR:

Quando nós pecamos estamos caídos, se permanecemos no pecado, continuamos caídos e cada vez mais distantes de Deus. Muitas vezes se faz necessário que alguém nos estenda a mão a fim de nos reerguermos e é o Espírito Santo que nos convence do pecado, da justiça e do juízo:

João 16:7-11 - Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei.

E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.

Do pecado, porque não crêem em mim;

Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;

E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado.

Em suma, se deixamos de lado aquilo que o Espírito Santo ministra constantemente às nossas vidas, vamos cada vez mais ao fundo do poço.


O homem carnal tem sempre uma visão crítica e discriminatória quando vê alguém caído no pecado e, sempre o pecado acaba sendo classificado em categorias: tudo por conta do homem; pois para Deus pecado é pecado e não tem tamanho. Quando um irmão mente, faz uma fofoquinha, usa de maledicência, entre outras coisas, nós não vemos mal algum, achamos natural e até "normal". Mas quando se sabe que alguém caiu em roubo, adultério, fornicação, homicídio, aí sim, fica instaurado o escândalo. Por conta disso caímos lá em I Corintios 11:30 - Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem.

Como já disse, Deus não dimensiona o pecado, o que diferencia o pecado são as consequências que esses pecados podem trazer para a nossa vida.

O PECADO NOS FAZ SOFRER

Muitas vezes somos levados ao deserto por não compreender que Deus quer conserto, quer nos ver de pé e está sempre de braços abertos para nos perdoar e basta para Ele o nosso arrependimento, não remorso, como aconteceu com Judas,

(Mateus 27:3-5 - Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos,

Dizendo: Pequei, traindo o sangue inocente. Eles, porém, disseram: Que nos importa? Isso é contigo.

E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar.), para que a nossa história mude.


Toda vez que nos levantamos precisamos ter a posição de Davi, que Salomão descreve de uma maneira linda em (Provérbios 28:13) - O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.

É a misericórdia de Deus que nos faz ter autoridade advinda do pecado que cometemos.

COMO?

É bem simples, e se reporta a uma coisa que vamos acumulando ao longo de nossas vidas: EXPERIÊNCIAS!

Eu já vi casos de pessoas apontarem o dedo na face do Pastor para dizer: “você não tem moral para me disciplinar, você já cometeu o mesmo pecado que eu. Revelou-se aí, além do erro que estava em discussão, o pecado de rebeldia, por que além da autoridade pastoral existia sobre aquele pastor a autoridade de um dia já ter caído, conhecer o cheiro podre da lama, a experiência de ter sido levado pro vale a fim de ser ensinado por Deus para que confessasse, abandonasse e alcançasse misericórdia.

Conheço vários pastores que já foram traficantes, viciados em todo tipo de drogas, pastoras e missionárias que já foram garotas de programa, envolvidas com toda qualidade de vícios e Deus os resgatou, os transformou e os fez ganhadores e apascentadores de almas. Agora imagine se por causa disso eles vierem a se omitir e permitir que todo tipo de pecado vá se alojando no meio da igreja, somente por conta da sua vida passada, a fim de não ser acusado por ninguém?

A Palavra nos exorta que na casa de Deus tudo é feito com ordem e decência e se uma quantidade de pecados, seja ela qual for, estiver no passado do Pastor ou Líder, a ovelha TEM que entender que esses pecados conferem a esses líderes uma autoridade muito maior do que se possa imaginar, por que eles têm todas as informações a fim de ajudar para que o membro da igreja não caia no mesmo pecado e se vier a cair eles sabem o “caminho das pedras” para lhe tirar daquela situação e colocá-la de pé.

Muitas pessoas gostam de pescaria; uns pescam na praia, outros em alto mar, outros à beira de um rio, mas infelizmente as nossas igrejas estão cheias de pessoas que gostam de pescar no mar do esquecimento. (Miquéias 7:19) - Tornará a apiedar-se de nós; sujeitará as nossas iniquidades, e tu lançarás todos os nossos pecados nas profundezas do mar. Pessoas que ficam buscando os pecados passados de seus líderes e irmãos para confrontá-los no momento em que a disciplina vier sobre si.

É claro que o nosso pecado entristece o coração de Deus e Ele nunca nos impulsionará para lá. Mas uma vez que somos nós que procuramos o pecado por nossa conta e risco, damos de cara na lama. Mas quando ouvimos a voz do Espírito Santo, nos arrependemos e retornamos, nos submetendo à autoridade pastoral, disciplina; pilar básico em qualquer comunidade, (a igreja é uma comunidade), ouvimos a repreensão, pedimos perdão a Deus, ao líder e à igreja, mostrando a Ele um arrependimento maior que o nosso pecado, um desejo sincero de abandonar esse pecado, tenha certeza Ele (DEUS ) vai usar essa experiência pecaminosa do passado para que o pastor possa:

Primeiro: detectar quando alguém está em pecado. A atitude, o jeito, o distanciamento e até mesmo a cara de pau da ovelha, chamam a atenção. O pastor precisa conhecer seu rebanho;

Segundo: seguir e buscar a ovelha em casa, na rua ou mesmo no habitat natural do pecado, se for necessário;

Terceiro: trazê-la de volta o mais rápido possível, antes que o mundo a abrace de vez;

Quarto: fazê-la entender que todo pecado trás consequências e a disciplina bíblica e pastoral é uma delas (mesmo depois de arrependida);

Quinto: fazê-la entender que o pastor é autoridade no assunto e na igreja, pois pode já ter vivido esta situação a fundo;

Sexto: tirar todo o carrapicho grudado à lã da ovelha e tratá-la com alimento diferenciado pelo tempo que for necessário e;

Sétimo: mostrar à ovelha que se não houver um conserto ela poderá passar um longo tempo no deserto e até vir a ser tratada com gentia.

Agora você entende o porquê do tema:

O PECADO DÁ AUTORIDADE!


AUTORIDADE NO PECADO?

É isso aí. Um viciado em drogas, um traficante, uma prostituta, um homossexual, que se converteu, se arrependeu e abandou o vício, é uma verdadeira autoridade para detectar e ajudar outras pessoas a não caírem no mesmo poço.

Não fique pescando no mar do esquecimento da vida do seu líder e de seus irmãos por que quando Deus jogou os pecados deles lá foi para dar-lhe autoridade e conhecimento para te disciplinar e te tratar e te apresentar ao Senhor como obreiro aprovado que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.
2 Timóteo 2:15.
Quando você estiver em pecado e souber que o seu pastor ou se líder já passou por situação idêntica; no momento em que ele for te buscar renda-se e se entregue à admoestação do cajado porque ele tem a AUTORIDADE conferida a ele por Deus diante do PECADO que um dia ele cometeu e que o Senhor Jesus perdoou e o Pai lançou no mar do esquecimento!

Você sabia que o cajado tem pelo menos três funções?

Um cajado não é uma bengala para pastor, é uma ferramenta dada por Deus e que infelizmente por muitas vezes é mal utilizada por pastores e mal interpretada por ovelhas rebeldes!

A primeira função do cajado está na ponta: ela é usada tanto para afugentar os lobos que tentam atacar o rebanho, quanto para disciplinar ovelha rebelde, fujona, displicente etc.;


A segunda está na parte curvada: ela serve para trazer a ovelha ferida, a ovelha carente para perto do pastor que a levará ao peito onde receberá calor, carinho e tratamento;

A terceira é o meio do cajado, local onde, depois de realizar todas as tarefas atribuídas a um pastor, ele se apoia e finalmente descansa e, de pé, observa todo o rebanho!

Obreiro aprovado
Grupo Logus

Você lembra quando foi
Que o Senhor o separou
Dentre todos os amigos,
Dentre os entes mais queridos?
E lhe encheu a alma toda de paixão tão desmedida
Pelas almas, pelas vidas,
Que não sabem pra onde vão?
Mas o tempo foi passando,
E a paixão se esfriou...

Óh meu Senhor,
Responda-me: Por quê?

Você precisa se obreiro aprovado
E não ser acusado por ninguém.
Andar como meu filho andou
E amar com o genuíno amor
Que eu lhe dei. Mas...
Se me buscar na Palavra, de coração na palavra,
Eu dou-lhe Minha palavra:
Me achará, e aprovado será.

Saiba submeter-se à autoridade do seu pastor, ele é um ungido do Senhor e não cabe a você nem a ninguém avaliar o passado, haja vista que Deus olha para frente, não leva em conta o tempo da ignorância e quando perdoa esquece. Deus esquece. se você é do tipo que não se submete, usa de rebeldia com seu pastor, você terá o seu quinhão por essas atitudes.

Você não tem que entender o que acabou de ler como uma instrução para pecar. Se você não cometeu pecados que tragam consequências escandalosas não quer dizer que você não terá autoridade diante de Deus. O que eu acabei de te dizer é que precisamos aprender com nossos erros e usar essa experiência a favor da Obra de Deus!




Graça e Paz
Um abraçono coração!
Pr. William Thompson

segunda-feira, 16 de julho de 2012

- A PRIMEIRA PEDRA NÃO… MAS A VERDADE? DOA A QUEM DOER!!!


Há uns dois meses atrás vendo minhas atualizações básicas na internet, no meu blog “ADORADOR EXTRAVAGANTE”, fui confrontado com uma frase:

“PARE DE APONTAR as pessoas… Jesus disse: aquele que não tiver pecado, que atire a primeira pedra".

…isso me chateou. Pensei até que realmente todo o combate que eu fiz para defender uma fé cristã sadia e para desmascarar aqueles que sabendo do erro que ensinam permanecem fazendo isso para benefício próprio, que tudo que eu fazia poderia estar errado, que era perda de tempo, que eu era um idiota que poderia estar fazendo qualquer coisa ao invés de ficar mostrando para as outras pessoas os ensinos heréticos e as pessoas que assim o fazem.

Após conversar com minha esposa (sempre ela) e orar um bocado, relembrei das palavras de Jesus:

“Aquele que não tiver pecado, que atire a primeira pedra”.

As pedras que iam lançar na mulher adúltera (João 8.1-11) iriam condena-la. Iriam matá-la. Iriam até mesmo mandá-la pro inferno. Eram pedras de condenação, de julgamento eterno. Não eram mais acusações, não eram mais exposições do erro, não eram mais a simples exortação. ERAM A MORTE ETERNA!

Foi aí que eu percebi. Jesus não livrou a mulher de mostrar a ela seu erro para que ela se consertasse, senão não teria dito “nem eu te condeno, VAI E NÃO VOLTES A PECAR!” (v. 11). Ele expôs sim o erro à moça, queria que ela reconhecesse sua falha para com Deus, e consigo mesma. E queria que ela mudasse de atitude, que vivesse uma nova e eterna vida. Jesus apenas a livrou da sentença condenatória, da morte e do inferno. Ele também não quis dizer a ela, esses homens também estão cheios de pecados, por isso você também tem o direito de continuar a viver em pecado; ao contrário Ele disse: VAI E NÃO PEQUES MAIS!!!

E é justamente isso que eu e tantos como eu, que passam suas vidas orando, buscando conhecer a Palavra de Deus em sua integridade e fugir de ensinamentos contrários à Sua Santa Palavra, lutando contra os aproveitadores desse mundo e que destroem a imagem da igreja por si próprios e não demonstram um pingo de arrependimento. Mas não quero que eles morram e vão pro inferno. Eu não os condeno. Eu não os julgo. Mas eu tenho o direito e o DEVER de zelar pela Casa de Deus (João 2.17), pela Palavra do Senhor ser pregada de verdade contra os que não suportam a sã doutrina (II Timóteo 4.3-4), para que os ímpios parem de escarnecer do nome de Deus (Isaias 52.5 / Romanos 2.24), como tem acontecido por culpa exclusivamente de nossa passividade e de deixar toda sorte de heresias e falsos ensinos penetrarem na igreja e nós de braços cruzados engolindo tudo como se tivesse “bom demais” (Apocalipse 2.14-16 e 20-23). Não condenarei nenhum dos líderes, seja ele quem for, mas a Verdade é que temos que mostrar a verdade, quer gostem os líderes ou as pessoas ou não, quer morramos, quer vivamos, que falemos a Verdade a tempo e fora de tempo! (II Timóteo 4.2).

Algumas igrejas abriram mão de pegar o Evangelho genuíno e estão pregando o “EVANGELHO DAS FACILIDADES”. Venhas como estais e continue, Deus te ama e te aceita, estamos debaixo da graça e o perdão de Deus nos alcança a todo o momento.

Ao ver tal discrepância doutrinária, não sei se fico irado ou se prefiro o EVANGELHO DA PROSPERIDADE, não sei onde há mais engano!

O que esses líderes de igrejas locais estão esquecendo é que, de certa forma viver debaixo da graça é mais complicado que viver debaixo da lei. Na lei o pecador se apresentava ao sacerdote, levava sua oferenda, sua oferta que era queimada, uma parte, a outra ficava para alimentar o sacerdote e os levitas e daí estava tudo certo. A LEI ERA DE FORA PARA DENTRO, fácil de manipular. Quando Deus mandou Jesus, através de sua morte passamos a viver a GRAÇA e é por isso eu digo que viver a graça é muito mais difícil do que viver a lei. Na graça o sacerdote é você, a figura do UNGIDÃO a-ca-bou e não é ele que vai dar conta da tua alma, ele dará conta de ter ou não ensinado a cada ovelha o que Jesus deixou, de cada ovelha que se desviou e ele não foi buscar e quem pode ser fulminado no Santos dos Santos é você, na graça o que conta é o coração, o sentimento, e o culto racional, quer dizer, com entendimento de que o próprio Espírito Santo está ali para receber a sua oferta e sondar o seu coração para ver se lá existe alegria em ofertar, se existem pecados escondidos, se há ressentimentos, desejos malignos contra líderes, pastores e irmãos, se você precisa pedir perdão a alguém ou perdoar, em fim A GRAÇA É DE DENTRO PARA FORA e da sondagem do Espírito Santo NIGUÉM foge.

O Evangelho puro e simples tem passado por maus bocados nos dias de hoje. O conceito de uma igreja defensora da verdade do Evangelho, uma igreja pura, que pratique a sã doutrina, está sendo posto de lado constantemente. Aqui e ali proliferam igrejas que se esmeram em modismos e invencionices humanas com o intuito de alcançarem uma suposta relevância, mas que na verdade deturpam a preciosidade e a vitalidade do conceito bíblico de Igreja como se encontra nas páginas do NT.

Isto certamente vai impactar no discipulado. No seguir a Cristo todos os dias e todas as horas. A confusão reinante de ideologias, doutrinas e visões de ministério produz uma Igreja distorcida e indubitavelmente vai gerar discípulos tortos. Tortos no sentido de não andarem segundo o RETO caminho que lhes é proposto nas Escrituras (At 13.10). Teologia Relacional. Teologia da Prosperidade. Liberalismo teológico. Neopentecostalismo. Legalismo de usos e costumes, ou o seu oposto, o Antinomianismo. Essas são as distorções que estão em nosso meio e que exigem um posicionamento firme de todo o crente que ama e reconhece a sã doutrina (2Tm 4.3).

Todavia será um discipulado tortuoso, desfocado, inútil tanto para o discipulando como também para o que discipula, se tiverem como pressupostos de fé, conceitos teológicos como os que relacionei há pouco. Como pensar em um discípulo saudável que acredita que Deus abriu mão de sua soberania, ou que não é onisciente? Ou um discípulo que acredita que pode ordenar que o Senhor Deus atenda a todos os seus pedidos, que ele tem direitos e Deus é obrigado a atendê-lo? Ou, aqueles que entendem que a vida cristã é sinônimo de um código de regras e que quase tudo é pecado? Ou, em outro extremo, o crente pode fazer o que quiser, até cair na gandaia, porque sendo Deus gracioso, sempre irá perdoá-lo?

Não se pode pensar em discipulado saudável em ambiências como essas. Não se concebe saúde espiritual e caminhada junto com o Mestre se a Palavra de Deus é desprezada nessas variadas formas.

Urge que cada pastor volte-se para a pureza da Palavra de Deus. Que abandone urgentemente toda heterodoxia, todo ensino errôneo, e se apegue à sã doutrina, à ortodoxia. Parece que há pastores que entendem que a Bíblia tem de ser complementada com ensinos humanos.

A REVELAÇÃO DE DEUS É COMPLETA E IMUTÁVEL. O QUE DEUS TENCIONOU NOS REVELAR E ORDENOU QUE OBEDECÊSSEMOS ESTÁ NOS 66 LIVROS QUE COMPÕEM AS SAGRADAS ESCRITURAS.

Uma igreja distorcida é aquela que, além da Bíblia, enfatiza interpretações humanas alheias ao que o texto bíblico realmente quis dizer. Isto vai gerar multidões de discípulos tortos, ou seja, deformados em sua vida de fé no Senhor, porque acreditam e colocam em prática ensinos que Deus nunca teve a intenção de repassar-lhes para que obedecessem.

Grupo Logos – O EVANGELHO


Paulo Cesar da Silva
Eu sinto verdadeiro espanto no meu coração
Em constatar que o Evangelho já mudou
Quem ontem era servo agora acha-se senhor
E diz a Deus como Ele tem que ser
Mas o verdadeiro Evangelho exalta Deus
Ele é tão claro como a água que eu bebi
E não se negocia sua essência e poder
Se camuflado a excelência perderá
O Evangelho que desvenda os nossos olhos E desamarra todo nó que já se fez
Porém ninguém será liberto sem que clame
Arrependido aos pés de Cristo o Rei dos reis 
Porém ninguém será liberto sem que clame
Arrependido aos pés de Cristo o Rei dos reis 



Graça e Paz
Um abraço no seu coração
Pr. William Thompson

domingo, 15 de julho de 2012

- A ARITMÉTICA ECLESIÁSTICA: SOMAR E MULTIPLICAR OU SUBTRAIR E DIVIDIR?


Graça e Paz da parte de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!

É muito comum as famílias, de um modo geral, enfrentarem problemas com as atitudes de rebeldia dos filhos em relação aos pais que precisam admoesta-los para relembrarem os ensinamentos ministrados na infância. O que eu tenho observado é que em vários desses casos os filhos correm em direção aos líderes da igreja (líderes de jovens, adolescentes, louvor e até pastores...) para ouvir "conselhos". Um bom conselho é sempre bem vindo, mas infelizmente existem líderes totalmente contextualizados com o mundo e aconselhando pessimamente os nossos filhos. Vamos concordar que filhos não têm idade, um ou trinta anos, para nós, pais, serão sempre as nossas crianças, por mais rebeldes que possam ser ou estar.
O que pensar quando um líder toma atitudes que se confrontam com aquelas tomadas pelos pais. Cheguei a ler uma postagem de um desses "líderes" que falava sobre pais que incitam a ira dos filhos, que tais pais deveriam governar bem a sua casa entre outras coisas absurdas, usando a Palavra totalmente fora de contexto, chegando às raias da heresia. O que esse líder esqueceu é que existe um sequência bíblica no texto de Efésios capítulo 6. Ele, na ânsia de massagear o ego dos filhos alheios, esqueceu-se de observar que já no verso primeiro Paulo nos diz: "VÓS, filhos sedeis obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo!"
verso 2: "Honra teu pai e tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa..."
verso 3: "para que te vá bem e vivas muito tempo sobre a terra".

Como Pastor eu jamais aconselharia um filho a se voltar contra a orientação de seus pais e se julgasse haver erro na decisão dos genitores os chamaria para, em gabinete, resolver a situação e, de preferência fora da presença dos filhos; o que é natural até em casa, entre pai e mãe. O que fazer quando um líder faz transbordar o cálice da rebeldia?
A que conclusão chegamos diante de tal fato? Ou o líder está mau preparado, tanto moral quando ética e biblicamente ou está mau intencionado; só Deus pode sondar esse coração!
Avaliando, ainda, a celeuma vamos notar que fica no ar uma impressão de que pode haver uma cisão familiar e se famílias racham, a igreja também racha; a igreja é formada por famílias. Segundo a visão do Apóstolo Paulo precisamos meditar no que está narrado no cap. 16 da Carta aos Romanos, a partir do verso 17 até o 20:
17 - E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles.
18 - Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples.
19 - Quanto à vossa obediência, é ela conhecida de todos. Comprazo-me, pois, em vós; e quero que sejais sábios no bem, mas simples no mal.
20 - E o Deus de paz esmagará em breve Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja convosco. Amém.
Será que o Senhor inspirou o apóstolo Paulo para produzir um texto que promoveria divisão e afastamento de irmãos? Será que o objetivo deste texto é afastar os que “promovem divisões e escândalos”? Seria para proteger os que têm a “doutrina”? Ou seria para proteger a “doutrina”? Boas perguntas, talvez sem resposta, mas com certeza, sempre o objetivo das Escrituras Sagradas será aproximar mais o homem de Deus.
Temos algumas traduções do versículo:
Almeida Corrigida Fiel (ACF): “E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles”.
Corrigida (C): “E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles”.
Revista e Atualizada (A): “Rogo-vos, irmãos, que noteis bem aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes; afastai-vos deles”.
Linguagem do dia de Hoje (LdH): “Meus irmãos, peço que tomem cuidado com as pessoas que provocam divisões, que atrapalham os outros na fé e que vão contra o ensinamento que vocês receberam. Afastem-se dessas pessoas”.
Nova Versão Internacional (NVI): “Recomendo-lhes, irmãos, que tomem cuidado com aqueles que causam divisões e colocam obstáculos ao ensino que vocês têm recebido. Afastem-se deles”.
O texto no original de Romanos 16.17 transliterado diz:

PARAKALO DE HUMAS ADELFOI SKOPEIN
TUS TAS DIKHOSTASIAS KAI TA SKANDALA PARA TEN DI-
DAKEN EN HUMEIS EMATHETE POIUNTAS KAI EKKLINATE AP’
AUTON.

A palavra principal para ser analisada é EKKLINATE que vem do verbo EKKLINO que conforme o dicionário é: desviar-se, separar-se.
Rm.16.17; 1 Pe 3.11; Rm 3.12.

Fica claro que o conselho é desviar ou separar-se dos que “promovem divisões e escândalos contra a doutrina”. A outra palavra importante é ADELFOI que significa “irmão”. Esta palavra determina o tipo de pessoa que deve ser observada, pois são os “irmãos” que devem notar os que estão no meio da igreja. É uma referência a “irmãos”, ou seja, cristãos, ou ainda pessoas que são parte da igreja, pessoas nascidas de novo. Neste caso “afastar” ou “desviar”, ou ainda “separar-se” de pessoas que não são cristãs, porque elas promovem divisões e escândalos contra a doutrina, ou seja, contra a mensagem que a igreja prega, não está sendo apoiado pelo texto. O texto de I Coríntios 5:10 é claro sobre este assunto: “Isto não quer dizer absolutamente com os devassos deste mundo, ou com os avarentos, ou com os roubadores, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo”. O único assunto a ser discutido neste texto é o “afastamento” de “irmãos” que produzem “divisões e escândalos”, contra a mensagem ensinada, ou a doutrina. Qualquer cristão que se afastar do mundo, porque o mundo persegue, difama, aprisiona, promove divisões até conscientes para destruir a igreja, não pode se apoiar neste texto para deixar estas pessoas. Se o mundo “ataca” a igreja, isto é parte da normalidade da vivência cristã, pois assim fizeram contra o Senhor Jesus, e assim farão contra todos que seguem a Cristo. Jesus, no entanto, ordenou o IDE ao mundo. A mesma palavra para desviar ou separar em

Romanos 16:17, está em 1 Pedro 3:11 e Romanos 3:12, vejamos os textos:(I Pedro 3:11) - Aparte-se do mal, e faça o bem; Busque a paz, e siga-a. É bem interessante que o apartar do mal é a mesma palavra para apartar do provocador, mas o verso também segue “faça o bem, busque a paz e siga-a”, isto sem dúvida é o conselho para ajudar os que são afastados, cortados, ou separados. (Romanos 3:12) - Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.

Todos que se apartam. Aqui vemos a mesma palavra demonstrar que a pessoa pode se separar, por decisão própria. O tipo de pessoa que promove “divisão e escândalo” é especificado no próximo versículo: (Romanos 16:18) – “Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples” (nossos filhos talvez). Então estas pessoas mesmo sendo da igreja, estão enganadas pensando que servem a Deus, entretanto o texto diz que elas servem a si mesmo.




Como igreja devemos estar atentos para, no verdadeiro entendimento da PALAVRA DE DEUS, tomar atitudes que condigam com aquilo que as Escrituras determinam. Chega de fazermos regras particulares para satisfazer o nosso ego, chega do uso de dois pesos e duas medidas, chega de tapetes mágicos (fazem certos assuntos sumir como poeira), chega de mentiras, chega de hipócritas e suas máscaras. Já disse um “pensador” contemporâneo que “O EVANGELHO MUDA UMA SOCIEDADE” e eu julgo que isso é uma grande verdade, mas para que isso aconteça precisamos de homens compromissados com Deus e não com seus próprios umbigos, embebedados numa falsa humildade. Vamos viver a simplicidade do evangelho e o Deus de graça e misericórdia nos abençoe e que tenhamos os nossos olhos e ouvidos atentos aos Seus sinais e à Sua voz.


Um abraço no seu coração
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus
Pr. William Thompson

sexta-feira, 13 de julho de 2012

- JULGAR: “PALAVRA FEIA?”

O liberalismo teológico continua a se movimentar no meio cristão, buscando sempre relativizar as escrituras e mesclar a doutrina bíblica com filosofias humanas. Os discursos politicamente corretos de líderes e cristãos em evidência estão saturados de liberalismo.

O caso mais recente foi a declaração de uma famosa cantora evangélica inglesa que expressou seu apoio ao casamento gay em entrevista ao jornal britânico The Independent, ao dizer que “os crentes devem ser menos críticos sobre a questão”.

A base do argumento da popstar gospel para apoiar o casamento gay foi, “Não cabe a mim julgar a ninguém”. Ela também confessou frequentar uma igreja gay com seu marido.

Confusão, é a palavra que melhor define a situação de parte da igreja no mundo, que é refém do clichê “não podemos julgar”. Me admira o fato de que esse ensino de Jesus tenha perdido seu sentido original para ser usado como propaganda anticristã.

Ao seguir o clichê “não julgueis” qualquer comunidade cristã será tentada a recuar de questões morais e doutrinarias, até chegar ao ponto onde não poderão distinguir o certo do errado. Primeiramente no comportamento e crença dos outros, e, finalmente, em suas próprias vidas.

A igreja contemporânea está na mesma atitude de Pôncio Pilatos. Está lavandos as mãos, deixando de lado a responsabilidade com o Reino de Deus e esquecendo que Ele vai cobrar todas as vezes que atitudes não forem tomadas sobre fatos e ações reprováveis que devam ser julgadas. No meio militar existe um termo que traduz esta ação: adotar MESA (medidas na esfera de suas atribuições). Pastores (principalmente), líderes, não podemos esquecer que Deus nos delegou atribuições e não podemos vacilar naquilo que devemos arbritrar.

Joseph Paul Goebbels, (um dos asseclas de Adolph Hitler) foi sem dúvida um gênio do mau.


“A propaganda deve afetar a ação e crenças do inimigo, de maneira a confundi-los e paralisá-los.” Joseph Goebbels

Os ativistas anticristãos estão usando o próprio discurso da igreja como propaganda para seu estilo de vida. Ao recitar ‘não julgueis’ eles estão alegando, usurpando a autoridade da Bíblia, que não podemos rotular qualquer comportamento ou crença como certo ou errado. Esta atitude surgiu a partir de uma compreensão defeituosa, filosófica, carnal e demoníaca da palavra ‘julgar’ feita pelo liberalismo teológico.

A leitura mais básica do Novo Testamento revelará que a palavra ‘krino’ no grego (geralmente traduzido como ‘juiz’) é usada de diversas maneiras. Assim lemos na palavra que o ‘Pai a ninguém julga’ (João 5:22 - E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo), mas (evidentemente em outro sentido), Ele realmente ‘julga’ (João 8:50 - Eu não busco a minha glória; há quem a busque, e julgue.). Cristo não veio para ‘julgar’ (João 8:15 - Vós julgais segundo a carne; eu a ninguém julgo.), mas na verdade ele ‘julgou’ (João 5:30- Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo; e o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou.)

(João 8:16-26 - E, se na verdade julgo, o meu juízo é verdadeiro, porque não sou eu só, mas eu e o Pai que me enviou.

E na vossa lei está também escrito que o testemunho de dois homens é verdadeiro.

Eu sou o que testifico de mim mesmo, e de mim testifica também o Pai que me enviou. Disseram-lhe, pois: Onde está teu Pai? Jesus respondeu: Não me conheceis a mim, nem a meu Pai; se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai.

Estas palavras disse Jesus no lugar do tesouro, ensinando no templo, e ninguém o prendeu, porque ainda não era chegada a sua hora.

Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Eu retiro-me, e buscar-me-eis, e morrereis no vosso pecado. Para onde eu vou, não podeis vós vir. Diziam, pois, os judeus: Porventura quererá matar-se a si mesmo, pois diz: Para onde eu vou não podeis vir?

E dizia-lhes: Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados.

Disseram-lhe, pois: Quem és tu? Jesus lhes disse: Isso mesmo que já desde o princípio vos disse. Muito tenho que dizer e julgar de vós, mas aquele que me enviou é verdadeiro; e o que dele tenho ouvido, isso falo ao mundo).

Não há aqui contradições, é nossa ignorância que nos afasta da verdade.

Paulo diz aos da igreja de Corinto para que não ‘julguem’ nada, e logo depois critica-os por ‘não julgar’ o caso (I Corintios 4:5 - Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor).

(I Corintios 6:1-3 - Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo perante os injustos, e não perante os santos? Não sabeis vós que OS SANTOS HÃO DE JULGAR O MUNDO? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas mínimas? NÃO SABEIS VÓS QUE HAVEMOS DE JULGAR OS ANJOS? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?).

Julgar pode significar simplesmente, tomar uma decisão, ou analisar consequências (Atos 20:16 - Porque já Paulo tinha determinado passar ao largo de Éfeso, para não gastar tempo na Ásia. Apressava-se, pois, para estar, se lhe fosse possível, em Jerusalém no dia de Pentecostes).

(Atos 26:8 - Pois quê? julga-se coisa incrível entre vós que Deus ressuscite os mortos?).

(Atos 27:11 - Mas o centurião cria mais no piloto e no mestre, do que no que dizia Paulo).

(I Corintios 2:2 - Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado).

(I Corintios 7:37 - Todavia o que está firme em seu coração, não tendo necessidade, mas com poder sobre a sua própria vontade, se resolveu no seu coração guardar a sua virgem, faz bem).

(II Corintios 2:1 - Mas deliberei isto comigo mesmo: não ir mais ter convosco em tristeza).

(Tito 3:12) - Quando te enviar Ártemas, ou Tíquico, procura vir ter comigo a Nicópolis; porque deliberei invernar ali).

Por isso, somos encorajados a ‘julgar’ as situações de acordo com a Palavra de Deus e seus princípios, assim ‘julgar’ pode significar ‘formar uma opinião’ com base na interpretação correta da palavra (João 7:24 - Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça).

(I Corintios 10:15 - Falo como a entendidos; julgai vós mesmos o que digo).

(I Corintios 11:13 - Julgai entre vós mesmos: é decente que a mulher ore a Deus descoberta?).

(II Corintios 5:14 - Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram).

Aqui está a beleza da contextualização bíblica. Os Judeus não faziam sua leitura da Bíblia como a um exercício intelectual, mas como uma adoração devocional. Para os judeus, como Jesus, Paulo e os outros apóstolos, qualquer atividade de raciocínio, mental ou filosófica que não fosse baseada na palavra de Deus era considerada carnalidade, e sua conclusão como “julgamento carnal”. O julgamento condenado por Jesus nas escrituras é toda a conclusão ou veredicto, a respeito de qualquer assunto ou pessoa, que não tenha como base a palavra de Deus.

Portanto, julgar ou formar opinião sobre qualquer outra base, senão a Bíblia, é ‘julgar segundo a carne’, e isso é errado (Lucas 12:57 - E por que não julgais também por vós mesmos o que é justo?)

(João 8:15 - Vós julgais segundo a carne; eu a ninguém julgo).

Julgar com justiça é ser dirigido pela palavra. Figuradamente seria exatamente isso que, teoricamente, os Juízes deveriam fazer a respeito da constituição, não julgar segundo lhes parecer bem, mas segundo diz a lei. Julgar corretamente faz parte da nossa base de aceitação com o Senhor Jesus.

Replicou-lhe Jesus: Julgaste bem.- Lucas 7:43

Com esse entendimento de ‘julgar’, é inevitável que tenhamos de aplicar nosso ‘julgamento’ a outras pessoas, especialmente dentro da igreja. A decisão de batizar Lídia para a comunhão do corpo envolveu o “julgar” de sua “fidelidade”.

(Atos 16:14-15 - E uma certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o SENHOR lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia. E, depois que foi batizada, ela e a sua casa, nos rogou, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao SENHOR, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso.).

Se não podemos julgar, em qualquer sentido, seria impossível tomar qualquer decisão na igreja e na vida. Não poderíamos escolher o melhor candidato ao emprego, escolher com quem andamos, decidir com que devamos nos casar, e não poderíamos decidir realmente coisa alguma, pois julgar é tomar decisão.

Tiago foi confrontado com o problema de decidir se a consciência de alguns irmãos judeus deveria ser imposta sobre os gentios convertidos. Ele argumentou a partir dos princípios bíblicos e deu a sua “sentença”, seu julgamento de que eles não precisavam ser circuncidados (Atos 15:19 - Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus.).

Os anciãos da igreja de Jerusalém “ordenaram”, ou seja eles ‘julgaram’, que deviam haver algumas regras para as igrejas dos gentios (Atos 16:14 - E uma certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o SENHOR lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia.);

(Atos 21:25 - Todavia, quanto aos que creem dos gentios, já nós havemos escrito, e achado por bem, que nada disto observem; mas que só se guardem do que se sacrifica aos ídolos, e do sangue, e do sufocado e da prostituição).


É evidente de tudo isto que não há nada de errado com o fato de “julgar” os nossos irmãos no sentido de formar uma opinião sobre seu comportamento ou doutrina, baseado nas escrituras.

A igreja de Corinto caiu no mesmo erro ‘politicamente correto’ de deixar de julgar o próximo segundo a palavra. Se justificavam em não lidar com o caso do incesto de um irmão com a desculpa de que ‘Não podemos julgar nosso irmão’. Paulo respondeu dizendo: ‘Se vocês fossem ESPIRITUALMENTE MADUROS, perceberiam que é uma vergonha para vocês viverem sem julgar as coisas morais”. No mesmo contexto, Paulo repreende os irmãos por não retirarem a comunhão do irmão incestuoso, e lhes diz que seu ‘julgamento’ é “que o irmão deve ser expulso” (1 Coríntios 5:3).

Paulo disse que disputas dentro da igreja deveriam ser julgadas pelos irmãos em vez de resolvidas no judiciário do mundo, justamente por causa da excelência do julgamento à luz da Palavra da Verdade. (I Corintios 6:1 – 3 ) - OUSA algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo perante os injustos, e não perante os santos? Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas mínimas? Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?

“Não julgueis, para que não sejais julgados” Mateus 7:1

O texto acima implica em qualquer julgamento fora dos princípios das escrituras. Um exemplo disso está em João 5:45 - Não cuideis que eu vos hei de acusar para com o Pai. Há um que vos acusa, Moisés, em quem vós esperais.

Entenda pelo contexto que os judeus comumente se referiam aos cinco primeiros livros da bíblia escritos por ‘Moises’. Por isso Jesus disse, não vos ‘acuso’, Moisés, se referindo ao Pentateuco, é quem vos acusa. Jesus não precisava acusar quem já era acusado pela palavra.

Minha conclusão, segundo está nas escrituras, é que não devemos tecer julgamentos a partir de nossa analise intelectual ou impressões aparentes. Mas devemos sim, aceitar, repetir, proclamar, declarar todo julgamento que Deus já fez nas escrituras.

Deus já julgou o homossexualismo, a mentira, a prostituição, a fornicação, a idolatria, assim como àqueles que causam contenda entre irmãos e os condenou como pecado a serem punidos no Último Dia. Está escrito, e é verdade! Qualquer conclusão, filosófica, intelectual e “politicamente correta” que discorde das escrituras é carnal, animal e diabólica.

Algumas passagens da Escritura parecem proibir o julgamento, enquanto outras claramente exigem isso. Estudando os contextos daquelas que parecem proibir o julgamento, descobrimos que o que é proibido não é realmente o julgamento em si, mas sim um tipo errôneo de julgamento. Deus odeia o julgamento hipócrita! Mas Deus ama o julgamento justo da parte dos seus filhos.

PORTANTO, É DEVER DE TODO CRISTÃO JULGAR!

“Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado.” Gl 6:1

“Prega a palavra, insta, a tempo e fora de tempo, corrige, repreende, exorta com toda longanimidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina, pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se a fábulas.” 2 Tm 4:2-3


Graça e Paz,
Um abraço no seu coração
Pr William Thompson